Torne-se perito

Air New Zealand está a testar copos de café comestíveis nos voos

Sabem a bolacha de baunilha e prometem ser uma solução para evitar o plástico e reduzir o lixo. A companhia aérea serve cerca de oito milhões de cafés por ano.

,copo
Fotogaleria
A companhia incentiva também os passageiros a trazer os próprios copos reutilizáveis. DR
Air New Zealand
Fotogaleria
DR
,copo
Fotogaleria
DR

Beber um café e comer o copo a seguir. A companhia aérea Air New Zealand​ está a testar copos comestíveis nos seus voos, numa experiência para evitar o plástico e reduzir o lixo. Actualmente, a companhia serve mais de oito milhões de cafés por ano.

Adocicados com baunilha, com textura de bolacha e à prova de fugas: são assim os copos comestíveis da Air New Zeland, para já em fase de testes. O objectivo final é deixar de usar por completo os copos que vão parar aos aterros sanitários, explica em comunicado a directora do departamento de experiência do consumidor, Niki Chave.

Os copos comestíveis são uma parceria com a empresa de inovação neozelandesa Twiice. “Os copos têm sido um sucesso entre os clientes que já os utilizaram e também os temos usado como taças de sobremesa”, explica Chave.

Já o co-fundador da Twiice, Jamie Cashmore, acredita que os copos comestíveis podem desempenhar um papel importante a demonstrar que é possível encontrar formas inovadoras de embalagem. “É fantástico que a Air New Zealand​ tenha colaborado connosco para demonstrar aos clientes e ao mundo que um pouco de criatividade e inovação podem ter um impacto muito positivo no ambiente, ao mesmo tempo que oferece uma experiência gira e saborosa”, diz Cashmore em comunicado.

A iniciativa insere-se na estratégia de sustentabilidade da Air New Zealand, que mudou recentemente para copos de café feitos de papel e de milho em todos seus aviões e lounges.  Espera-se que a troca para copos orgânicos evite que 15 milhões de copos por ano vão parar ao lixo. A companhia aérea incentiva também os passageiros a levarem o seu próprio copo reutilizável.

Sugerir correcção