Benfica renova contrato por mais um ano com Bruno Lage

Revisão salarial prevista pelo treinador avança, mas também a extensão do vínculo. É a segunda “actualização” desde o início do ano.

Foto
LUSA/MIGUEL A. LOPES

Chegou no Verão de 2018, assinou contrato até 2023, foi promovido de emergência à equipa principal, viu melhoradas as condições salariais, sagrou-se campeão nacional e agora, quase um ano depois de ter substituído Rui Vitória no comando técnico do Benfica, Bruno Lage vê o vínculo revisto em alta. O treinador dos “encarnados” estendeu a ligação ao clube por mais um ano e, com ela, também os valores do vencimento.

A renovação não seria propriamente uma urgência desmedida, até porque estava ainda muito distante o final do contrato anterior, mas as partes entenderam que este era o momento adequado para renegociar. Do lado do clube, porque Luís Filipe Vieira entende que Bruno Lage é o treinador adequado à estratégia de valorização da academia do Seixal, do lado do treinador (e do seu agente, Jorge Mendes), porque era importante aproveitar o capital de sucesso construído até à data.

Recentemente confrontado com a necessidade de avançar para a revisão contratual, Bruno Lage até descartou o cenário de renovação. “Não se trata de uma renovação, mas sim de um aumento de salário. O presidente entendeu que, pelo nosso trabalho, deveria haver um aumento de salário”, adiantou, a 22 de Novembro, mostrando-se confortável com as condições em vigor.

Na verdade, não só se confirma o prolongamento do vínculo, no caso por mais um ano, como se trata da segunda revisão em alta do vencimento (que se estima que atinja agora o milhão de euros anual). Isto porque, a 19 de Fevereiro deste ano, o Benfica comunicou à CMVM ter renovado o contrato de trabalho desportivo com o treinador, mantendo a sua duração. Era uma espécie de prémio pela promoção da equipa B para a equipa principal, num momento de aperto, mas ficaria ainda longe dos valores auferidos pelo antecessor.

A caminhada do Benfica de então em diante obrigou, entretanto, Luís Filipe Vieira a reavaliar o caso. Com um título em que já poucos acreditariam na mão, com a maior transferência do futebol português concretizada, com a cobiça de outros emblemas no horizonte, o presidente do clube entendeu retribuir na folha de vencimento os dividendos (desportivos e financeiros) que os “encarnados” retiraram da performance do treinador.

Nesta quinta-feira, os “encarnados” comunicaram à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) a renovação do vínculo do treinador por mais um ano, até 30 de Junho de 2024. Uma decisão que acontece na mesma semana em que o Benfica assegurou a continuidade nas provas da UEFA. migrando para a Liga Europa, e em que alcançou o melhor resultado da caminhada de 2019-20 na Liga dos Campeões.

Sugerir correcção