Contacto da SOS Racismo indicado pelo Google era do PNR

A SOS Racismo apercebeu-se do erro no sábado. No entanto, desconhece há quanto tempo aquela informação está disponível no Google ou quantas pessoas e entidades entraram em contacto, por engano, com o PNR. Vítor Ramalho, do PNR, garante que aquele número não recebeu nenhuma chamada por engano.

Foto
Nuno Ferreira Santos

O número de telemóvel que surgia associado na pesquisa do Google à associação SOS Racismo pertencia, na verdade, ao Partido Nacional Renovador (PNR), um partido de extrema-direita. A denúncia foi feita, este sábado, pela SOS Racismo, num comunicado partilhado na rede social Facebook. Já este domingo, o número foi retirado da ficha de informação da organização.

“Fomos alertados por uma pessoa que foi ao Google procurar [o contacto telefónico da SOS Racismo], em vez de ir directamente ao site, e no Google estava o telefone do PNR”, explica ao PÚBLICO o dirigente do SOS Racismo José Falcão. A associação vai formalizar uma queixa ao Ministério Público, disse outro dirigente, Nuno Silva, à Lusa.

A SOS Racismo apercebeu-se do erro no sábado ao final da tarde. No entanto, desconhece quanto tempo aquela informação esteve disponível no Google ou quantas pessoas e entidades, por engano, entraram em contacto com o PNR.

“As pessoas quando vão procurar SOS Racismo vão ao site, mas na pesquisa no Google aparece esse número. Não fazemos ideia de há quanto tempo e quantas pessoas é que ligaram para lá”, acrescenta José Falcão, garantindo que a situação já foi reportada ao Google.

O representante da instituição explica ainda que, embora não haja nenhum contacto telefónico disponível no site da SOS Racismo, quando os cidadãos pretendem entrar em contacto com a associação fazem-no, geralmente, através do email.

Contactado pelo PÚBLICO pelas 17h15, Vítor Ramalho, membro da comissão polícia do PNR, diz-se “espantado” pelo forma como tudo aconteceu e acredita que terá sido “uma brincadeira de mau gosto” de alguém que “quer afincar a animosidade que existe entre o PNR e a população”. “Ficámos a saber pela vossa notícia porque ninguém nos ligou para aquele número. Embora não temos uma pessoa a atender, é um dos membros do partido que atende muitas vezes, mas nem sempre consegue. Há coisas com as quais não se brinca independentemente da opinião que tenhamos sobre as pessoas”, explicou.

Uma situação “gravíssima"

A situação foi divulgada pela SOS Racismo através de um comunicado, no qual a associação revela que foi alertada por uma cidadã “para o facto de o número de telemóvel que vem indicado no motor de busca Google, como pertencendo ao SOS Racismo, estar de facto atribuído ao PNR”.

“Na verdade, utilizando o Google e pesquisando por ‘SOS Racismo’, o site disponibiliza a informação sobre a morada da sede da associação [que está correcta] e um número de telemóvel — 964 378 225 — que não corresponde a nenhum contacto da associação”, sublinha a nota.

A SOS Racismo diz ter feito depois uma pesquisa pelo respectivo número de telemóvel, tanto no site de pesquisa de contactos sync.me, como na própria página online do PNR, tendo verificado que o contacto “está em nome deste partido e é apresentado como o seu contacto oficial”. A associação diz ainda desconhecer “que tipo de informação terá sido prestada a estas pessoas e qual o uso dado à informação recolhida”.

Há pelo menos uma situação em que outra entidade foi induzida em erro: a newsletter do Centro Local de Apoio à Integração de Migrantes Serpa/Pias, de Setembro, lista aquele número de telefone como pertencendo à SOS Racismo. Existe também um ficheiro de geolocalização da Câmara Municipal de Lisboa que liga a associação ao mesmo contacto.

A SOS Racismo classifica esta situação de “gravíssima” e garante que “tudo fará para que a informação verdadeira seja reposta no Google, e para que os responsáveis sejam identificados e punidos”. O que veio a acontecer este domingo, uma vez que o número foi retirado. A instituição esclarece ainda que irá “tentar perceber quem colocou aquele número disponível”.

O respectivo número é disponibilizado no site do PNR para contactos em dias úteis das 9h às 18h. Ainda assim, o PÚBLICO tentou entrar em contacto este domingo, sem sucesso.

Os dados fornecidos na ficha de informação apresentada pelo motor de pesquisa são compilados automaticamente através de um algoritmo, segundo os guias da Google disponíveis na Internet. No entanto, é também possível a qualquer utilizador fazer uma sugestão de alteração.

“O algoritmo da Google encontra informação, como o nome do site, a informação de contacto empresarial, e os perfis nas redes sociais, que está publicamente disponível na Internet. É possível actualizar ou fornecer mais informação sobre o seu site para ter mais alcance nos resultados das pesquisas. Se for confirmado como um representante oficial, é possível actualizar o painel e corrigir a informação que a Google apresenta automaticamente”, explica a Google.

Fonte do Google explica, numa reposta enviada por email ao PÚBLICO, que a empresa dá aos utilizadores “a possibilidade de contribuírem para os produtos e serviços da Google, com o conhecimento local que têm”. “Utilizadores podem sempre usar a ferramenta ‘sugerir uma edição’ para actualizar as informações de um negócio. De forma geral, permitir que utilizadores façam sugestões ou moderem edições proporciona informações actualizadas e completas, mas reconhecemos que pode haver imprecisões ou más edições sugeridas pelos utilizadores — e, quando isso acontece, fazemos o possível para resolver o problema o mais rápido”, acrescenta a nota.

A mesma fonte esclarece ainda que “empresários ou quem administra organizações podem adicionar ou reivindicar a ficha de empresa [de forma gratuita] para receber um email com notificações sobre mudanças feitas na sua ficha e manterem-se a par de tudo” e que “as notificações podem variar de um negócio marcado como permanentemente fechado, a mudança no endereço, telefone, entre outros”.

Notícia actualizada às 17h26 com as declarações de Vítor Ramalho, do PNR