Jorge Bacelar, o veterinário-fotógrafo que gosta de fotografar o mundo rural

Depois de várias distinções, Bacelar lança o livro Ruralidades. “É neste ambiente que eu encontro a luz que quero, que tenho as pessoas que eu sinto como família.”

,Fotografia
Fotogaleria
"Ruralidades" Jorge Bacelar
Fotogaleria
"Ruralidades" Jorge Bacelar
Macaque
Fotogaleria
"Ruralidades" Jorge Bacelar
Jorge Bacelar Gouveia
Fotogaleria
"Ruralidades" Jorge Bacelar
,Medicina veterinária
Fotogaleria
"Ruralidades" Jorge Bacelar
Fotogaleria
"Ruralidades" Jorge Bacelar

Ao fim de alguns minutos de conversa, é fácil perceber que há duas coisas que lhe causam um brilho especial no olhar: a paisagem da ria de Aveiro – em especial aquela que se estende ao longo da Torreira – e os rostos das pessoas que tem vindo a fotografar. É extraordinário ver como consegue lembrar-se do nome de todos. “Estas pessoas são como se fossem da minha família”, diz, com um misto de carinho e orgulho. São agricultores, gente que vive da terra e do gado, e que Jorge Bacelar tem vindo a fotografar. Rostos, expressões e poses captadas no seu próprio meio, com os animais e os produtos da terra por perto. Ruralidades, tal como indica o título do livro que o veterinário-fotógrafo acaba de lançar e que reúne mais de 150 imagens.

PÚBLICO -
Foto
Anna Costa

Nascido em Figueira de Castelo Rodrigo, em 1966, mas com raízes na Póvoa de Varzim, Jorge Bacelar fez-se veterinário em Vila Real, na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Precisamente no primeiro ano de funcionamento do curso de medicina veterinária, lembra. Foi, depois, estagiar para Saragoça, Espanha, e na hora de regressar a Portugal acabou por ir parar ao concelho da Murtosa, na região de Aveiro. “Surgiu um lugar na Cooperativa do Bunheiro e acabei por fazer desta a minha terra. Já cá estou há mais de 20 anos”, declara. Actualmente, trabalha na Proleite, cooperativa que lhe permitiu conhecer muitos mais agricultores, a quem faz questão de chamar “amigos”.

Contrariamente ao que se possa pensar, só há meia dúzia de anos é que Jorge Bacelar “despertou” para a fotografia. “Comecei por fazer vídeo, a registar este ecossistema que é a ria e só mais tarde, quando conheci aquele que eu considero o meu mestre, o António Tedim, é que passei a fotografar”, recorda. Deixou as paisagens do exterior e passou a entrar pela casa das pessoas adentro, com uma Sony A77 (a sua primeira máquina) ao ombro. Começou, assim, a “fotografar o mundo rural”.

PÚBLICO - "Ruralidades"
"Ruralidades" Jorge Bacelar
PÚBLICO - "Ruralidades"
"Ruralidades" Jorge Bacelar
Fotogaleria
Jorge Bacelar

A tarefa ficou facilitada pelo facto de estas pessoas o conhecerem “há muitos anos”, por força da actividade veterinária. “A maior parte delas tratam-me como um membro da família”, vinca. “Até acredito que, no início, eles estivessem com algumas dúvidas se as fotos ficariam bem ou mal, mas só o facto de me verem feliz a fotografar deixava-as satisfeitas”, prossegue. Hoje, os seus “modelos” são também os seus maiores fãs. “Gostam do resultado final, sentem-se felizes ao ver as fotos”, acrescenta o veterinário-fotógrafo, que já ganhou vários prémios, inclusive em competições da UNESCO e na World Photographic Cup.

Trabalha apenas com uma câmara fotográfica e uma objectiva – “a minha lente são os meus pés, a minha proximidade com as pessoas”, refere – e o cenário é sempre o mais real possível. Sem iluminação e retoques artificiais. Os retratos são adornados apenas com animais e os produtos que a terra dá. “Além do rosto, tento apanhar as mãos, porque elas também falam e contam muito sobre as pessoas, e também o fruto do seu trabalho e os animais com os quais eles convivem diariamente”, realça.

PÚBLICO -
Foto
"Ruralidades" Jorge Bacelar

Uma selecção entre milhares de fotografias

Em Ruralidades, Jorge Bacelar apresenta uma selecção dos muitos retratos que tem vindo a fazer nestes seis anos de fotografia. Gente da Murtosa, de Estarreja, de Ovar e também de Figueira de Castelo Rodrigo, que dedica grande parte do seu dia a cultivar a terra e a tratar do gado. A pensar neles, a apresentação do livro viajará até aos seus territórios: depois do lançamento oficial, realizado esta quarta-feira em Lisboa, haverá sessões na Murtosa (sábado, 16h), Porto (sábado, 21h30), Estarreja (dia 24, 15h) e Ovar (dia 24, 17h30).

PÚBLICO -
Foto
O livro "Ruralidades" Anna Costa

Jorge Bacelar opta por não classificar as imagens do livro como sendo as suas “melhores fotografias”. Prefere apresentá-las como “uma selecção” das milhares de imagens que já fez – escolha para a qual muito contribuiu o seu editor, da Centro Atlântico, refere – e que quer continuar a fazer. “A fotografia é um vício que entra e nunca mais sai”, repara, deixando a confissão: “Por vezes, comovo-me a fotografar e também a ver as fotografias deles em casa.” Porquê? “É a minha gente que está nas fotos”, testemunha.

Mesmo não tendo ainda definido planos ou projectos futuros na área da fotografia, Jorge Bacelar dá como certo que continuará a trabalhar em torno do mundo rural. “O que me move na fotografia são os agricultores e este ambiente. É neste ambiente que eu encontro a luz que quero, que tenho as pessoas que eu sinto como família e é neste ambiente que quero continuar a trabalhar”, assevera. Quanto a futuros livros ou exposições – do seu currículo já constam apresentações no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, no Barreiro, Figueira de Castelo Rodrigo, Estarreja e Ovar –, também prefere deixar que o destino o surpreenda. “Não gosto de fazer grandes planos, nem de fazer as coisas a correr”, conta. 

PÚBLICO - Sony Alpha 7, a sua segunda máquina fotográfica e com a qual fez grande parte das fotos que estão nos livros
Sony Alpha 7, a sua segunda máquina fotográfica e com a qual fez grande parte das fotos que estão nos livros Anna Costa
PÚBLICO - O convite para as sessões de apresentação do livro.
O convite para as sessões de apresentação do livro. Anna Costa
Fotogaleria
Anna Costa
Sugerir correcção