“Não vamos para negociar”, esclarece Jerónimo de Sousa

O Governo começou esta terça-feira a ronda de reuniões sobre o Orçamento do Estado de 2020 com o PAN, Os Verdes e o BE. Esta quarta-feira será a vez do PCP. Na quinta-feira o Governo reúne com o Livre.

Jerónimo de Sousa diz que se tratará apenas de uma reunião normal de relacionamento institucional
Foto
Jerónimo de Sousa diz que se tratará apenas de uma reunião normal de relacionamento institucional daniel rocha

O líder comunista, Jerónimo de Sousa, afirmou esta terça-feira que é “manifestamente exagerado dizer que há um processo de negociação” com o Governo com vista ao Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), referindo-se ao encontro marcado para quarta-feira.

“Não vai haver negociações. O que vai haver é uma reunião normal de relacionamento institucional existente com o PS, com o Governo. É nisso que estaremos. Não vamos para negociar. Vamos para colocar aquilo que são preocupações e objectivos da nossa parte. O Governo dirá o mesmo, mas será manifestamente exagerado dizer que há um processo de negociação”, afirmou, à margem de uma visita ao Infarmed (Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde), em Lisboa.

Segundo Jerónimo de Sousa, “o objectivo é fazer uma abordagem sobre a realidade nacional, os problemas que afectam a sociedade portuguesa”, sendo que o PCP está disponível para “encontrar soluções”, embora não haja “um pressuposto de compromisso, de negociação e de acordo prévio”.

“Está marcado um encontro no quadro de relações normais existentes entre os dois partidos. Não é público. As questões do orçamento poderão estar presentes, mas que não queria adiantar sem conhecer o objectivo das questões a colocar. Da nossa parte, diálogo sempre, diálogo com concretização. Mais importante: é com os votos que os portugueses nos deram que vamos continuar a intervir para que haja um sentido de progresso nos avanços, na defesa dos direitos dos trabalhadores, e não retrocessos, novas imposições, recuos que não seriam bons para trabalhadores e povo”, descrevera o secretário-geral do PCP.

O Governo começou esta terça-feira a ronda de reuniões sobre o OE2020. A primeira aconteceu ao início da tarde de terça-feira, e juntou o PAN e o Governo na residência oficial do primeiro-ministro em São Bento. Seguem-se “Os Verdes” e o Bloco de Esquerda. Quarta-feira, após o debate quinzenal com o chefe do Governo no parlamento, será a vez dos comunistas, tendo o Livre ficado com encontro agendado para quinta-feira, igualmente depois da reunião plenária da Assembleia da República.

“Há quatro anos, nós, desde a primeira hora, declarámos ao PS e, posteriormente ao seu Governo, que contassem connosco em relação à contribuição para avanços, reposição de rendimentos e direitos. Não acompanharíamos qualquer medida negativa que o Governo tomasse. Mesmo em relação ao próprio Orçamento do Estado, embora o PS, pretendesse o aval na votação, nós sempre dissemos que seria resultante do produto final que decidiríamos e votaríamos”, continuou Jerónimo de Sousa.

Sobre o futuro sentido de voto do PCP em relação ao OE2020 e se os comunistas estariam mais libertos de constrangimentos para se absterem ou votarem contra, o líder do PCP não adiantou uma tendência.

“Não nos sentimos nem amarrados nem descomprometidos em relação a uma coisa que nunca fizemos. Contem com esta força para resolver problemas e manter e conquistar novos avanços. Não contem com esta força se quiserem retroceder tanto no plano económico como social”, concluiu.