Adamastor vai ter mercado de Natal a partir da próxima semana

Numa visita ao miradouro, quase um mês após a reabertura, o presidente da câmara diz que o balanço é “muito positivo”. A presidente da junta da Misericórdia anunciou que a primeira iniciativa será um mercado de Natal, aberto de quinta a domingo, já a começar na próxima semana.

Foto
A feira de Natal vai funcionar durante o dia, todas as quintas, sextas e sábados Pedro Fazeres

O Miradouro de Santa Catarina, conhecido como Adamastor, vai ter um mercado de Natal a partir da próxima semana. O anúncio foi feito pela presidente da Junta de Freguesia da Misericórdia, Carla Madeira, numa visita ao espaço que reabriu há quase um mês, com uma vedação e com horário de funcionamento. Ao seu lado, o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, fez um balanço “muito positivo”. 

“Acho que se nota uma utilização diferente do espaço. Em primeiro lugar, está requalificado, que era o objectivo inicial. Em segundo lugar, acho que está um ambiente muito menos agressivo do que o que encontrámos e agora avançaremos para a fase seguinte que é dar uma vida ao espaço, aos residentes e à população em geral”, disse Medina. E isso começará já para a semana com o mercado de Natal, semelhante ao que existe no Príncipe Real, promovido pela junta de freguesia. Vai funcionar durante o dia, todas as quintas, sextas e sábados, até ao Natal, a começar já no próximo dia 14, detalhou a autarca. As “barraquinhas” deverão distribuídas pelo espaço, tanto dentro como fora do miradouro. 

Acompanhado pelo vereador da Mobilidade e Segurança, Miguel Gaspar, e pela vereadora da Cultura, Catarina Vaz Pinto, Fernando Medina lembrou que tem havido “importantes acções da Polícia de Segurança Pública relativamente ao tráfico de droga, que resultou em várias detenções”. Na semana passada, foram detidas sete pessoas por suspeitas de tráfico de droga no miradouro. “Tudo isso tem contribuído para a pacificação desta zona que estava numa situação muito complexa quando tivemos de intervir”, reconheceu. 

Em cima da mesa está também a instalação de câmaras de videovigilância nas imediações do miradouro, o que a autarquia garante que vai avançar, mal haja luz verde do Ministério da Administração Interna e da Comissão Nacional de Protecção de Dados. 

Quando o projecto de requalificação do miradouro foi discutido e votado pelo executivo municipal — depois de muita contestação, quer de outras forças políticas, quer da população que se organizou no movimento Libertem o Adamastor —, Fernando Medina admitiu que a vedação pudesse ser uma solução “passível de ser transitória”, sendo avaliada pela câmara “num prazo de um ano da conclusão das obras”. Esse compromisso mantém-se, disse esta sexta-feira. 

Quanto ao quiosque, que antes tinha sido criticado por Medina e elogiado pelos serviços municipais, manterá a sua actividade, garantiu. Quem gere agora o contrato é a junta de freguesia.