Limpeza de graffiti custa milhões de euros à CP

Passageiro filma dois graffiters a pintar comboio de cara descoberta e CP entregou imagens à PSP. No vídeo de cinco minutos pintam o exterior de uma automotora na estação de Mira Sintra - Meleças com o apoio de dois cúmplices.

Transporte ferroviário
Foto
Nelson Garrido/ Arquivo

As imagens tornaram-se virais, sobretudo nas redes sociais ligadas à ferrovia. Dois graffiters, actuando de cara descoberta, pintam uma automotora na estação de Mira Sintra - Meleças sem que nada lhes aconteça. Quando terminam, um deles sobe para um muro e, com ar visivelmente agradado, filma a sua “obra”. Mais afastados vêem-se dois cúmplices que devem ter acabado de pintar uma outra carruagem da mesma composição (uma automotora a diesel que faz serviço na linha do Oeste e que terminara a sua marcha na estação de Meleças). Os quatro retiram-se depois do local.

Contactada a CP, fonte oficial da empresa respondeu que “como sempre acontece sempre que existem as evidências necessárias, a CP efectuou averiguações internas e reuniu a matéria existente sobre esta situação, tendo apresentado queixa junto da PSP”, a quem entregou também as imagens. Apesar de os rostos serem facilmente reconhecíveis, o mais certo é a queixa não dar em nada. É esta a opinião de vários ferroviários (revisores e maquinistas) contactados pelo PÚBLICO que não conhecem um único caso em que tenha havido consequências para os graffiters.

O próprio processo para entregar meios de prova à PSP é moroso. É necessário, por vezes, que a CP peça imagens à Infraestruturas de Portugal, que nem sempre responde com rapidez necessária. “E depois há o problema da lei portuguesa ser muito branda”, diz Luís Bravo, do Sindicato Ferroviário da Revisão e Comercial Itinerante. “Os processos depois não dão em nada porque é um crime menor. Por isso, há um sentimento de impunidade por parte de quem vandaliza os comboios”.

O mesmo refere António Alves, do Sindicato dos Maquinistas (SMAQ): “não conheço nenhum [graffiter] que tenha sido condenado, mesmo quando há queixas eles escapam sempre e não acontece nada”. O maquinista diz que, por vezes, quando são interpelados pelos ferroviários, os graffiters reagem de forma agressiva e atiram pedras contra os funcionários e os comboios.

Luís Bravo conta que em Espanha e noutros países estes actos de vandalismo estão sujeitos a penas mais pesadas, o que explica que, muitas vezes, estes graffiters sejam espanhóis. “Vêm do estrangeiro porque o risco em Portugal é menor e sabem que nada lhes acontece”, diz.

A uma lei mais permissiva acresce o facto de ser mais difícil notificar os suspeitos quando estes são estrangeiros.

Em Dezembro de 2015, dois dos jovens graffiters que morreram no apeadeiro de Águas Santas (Maia) quando tentavam pintar um comboio, eram espanhóis. Vários revisores que falaram com o PÚBLICO confirmam que é recorrente serem indivíduos desta nacionalidade a grafitarem as composições.

A maior parte das pinturas são feitas quando os comboios estão resguardados nos parques de material. Mesmo com vigilantes por perto, é difícil guardar composições que são compridas e em áreas que são muito grandes. Mas também acontece os graffiters prepararem autênticos ataques aos comboios quando eles páram nas estações: bloqueiam o fecho das portas e a composição não pode arrancar, enquanto os grupos cercam as carruagens e as pintam. Casos como estes aconteceram há pouco tempo em Loulé e nas Ferreiras (Albufeira) para pintarem o Alfa Pendular.   

Situação diferente aconteceu às três da manhã do dia 22 de Outubro nas Caldas da Rainha quando seis jovens se preparavam para graffitar uma automotora estacionada na estação. Um popular que passava nas imediações apercebeu-se das movimentações e chamou a PSP, que acabou por identificar os suspeitos e apreender 83 latas de spray e 42 difusores.

Em 2011 a CP divulgava que a limpeza das pinturas nos seus comboios custavam 236 mil euros por ano. A empresa não respondeu ao PÚBLICO sobre quanto representavam estes custos actualmente, mas não havendo evidências que o fenómeno tenha diminuído (antes pelo contrário) e a manterem-se estes valores, a graffitagem de comboios terá custado à transportadora pública nos últimos oito anos perto de dois milhões de euros.

Um valor que fica muito aquém dos 15 milhões de euros gastos anualmente no país vizinho pela limpeza e restauração dos comboios da Renfe. Esta empresa fez furor na última edição da Feira Internacional de Arte Contemporânea de Madrid (ARCO) ao apresentar “a obra mais cara” de todo o certame: uma porta totalmente grafitada de um comboio suburbano com uma legenda onde se explicava que o seu custo era de 15 milhões de euros, pagos entre todos os espanhóis (a Renfe é, tal como a CP, uma empresa pública).

A presença da empresa ferroviária espanhola na ARCO foi amplamente elogiada como uma das mais eficazes acções de comunicação. “A porta de um comboio não é nada, mas expô-la na ARCO transforma-a numa ferramenta de comunicação que chega a milhares de pessoas e pretende consciencializar para um problema que nos afecta a todos”, disse na altura o director criativo da Shacklenton, Juan Silva.