Morte de graffiters: “Só por pura sorte nunca tinha acontecido nada assim”

Três jovens, dois espanhóis e um português, foram colhidos por comboio no apeadeiro de Águas Santas, no concelho da Maia.

Comboios grafitados
Foto
Comboios grafitados nFactos/Fernando Veludo

Às 20h30 de segunda-feira, um grupo de jovens aproxima-se de um comboio que acabou de parar no apeadeiro de Águas Santas, no concelho da Maia. Um dos rapazes barra uma porta, impedindo a composição que segue de Guimarães para o Porto de retomar a marcha, enquanto os outros tentam graffitar as carruagens, no lado oposto. Nesse momento, outro comboio cruza-se com o primeiro, a quase 120 km/hora. O embate nos três jovens entretidos com a pintura é fatal.

Primeiro falou-se de dois mortos, depois foi encontrado um terceiro corpo. Soube-se já na terça-feira que se tratava de um jovem de 18 anos da Senhora da Hora, concelho de Matosinhos, e de um madrileno, de 20. A terceira vítima será também espanhola. Quem mora perto do apeadeiro diz ser frequente os jovens irem ali pintar comboios.

O acidente inédito não surpreendeu o antigo graffiter e hoje investigador desta subcultura Pedro Soares Neves, que diz que “só por pura sorte” nunca tinha acontecido nada assim em Portugal. “Intituladas 'missões', este tipo de acções exige algum nível de preparação prévia, que inclui o estudo dos horários dos comboios”, explica o especialista, para concluir que, pelas suas idades, os jovens mortos seriam provavelmente ainda principiantes. O especialista vai participar, daqui a uma semana, num encontro em Londres no âmbito do projecto europeu Graffolution, que visa precisamente criar práticas melhores e mais seguras em matéria de graffiti nos espaços públicos e também nos comboios. Estarão presentes várias operadoras ferroviárias europeias.

Para a CP – que não estará representada no encontro – a situação não foi nova, embora nunca tenha enfrentado nada com tal gravidade. Não é a primeira vez que a transportadora lida com tentativas de impedir o fecho das portas por parte de graffiters como forma de retardar a partida. Por uma questão de segurança, o maquinista não pode pôr o comboio em andamento sem que as portas estejam todas fechadas. No caso de segunda-feira passada, apurou o PÚBLICO, o revisor terá chegado a alertar o jovem graffiter de que devia deixar fechar a porta. Terá sido nesse momento que apareceu em sentido contrário o inter-regional  que não efectuava paragem nas Águas Santas, atropelando os jovens. 

“O embate foi brutal”, lamentou um dos elementos da corporação de Bombeiros Voluntários de Moreira da Maia, que esteve no local. A TVI relatava que testemunhas que não quiseram identificar-se indicaram que o grupo era constituído por mais jovens, que terão fugido após o acidente. A PSP, entretanto, já identificou os dois jovens espanhóis que fugiram do local.

O PÚBLICO tentou falar com vários graffiters do Porto, que nas redes sociais lamentaram a morte dos três jovens e, em particular, do português, conhecido na comunidade hip-hop de Matosinhos com o nome de "Nord". "A todos aqueles que manifestam opiniões depreciativas apelo ao vosso respeito. O respeito pela perda de três jovens que tinham um sonho. Há 15 anos este jovem era eu”, escreveu um deles, Mr. Dheo, no Facebook. O mais conhecido artista português do género, Vhils, também partihou uma mensagem de condolências na sua página pessoal nesta rede social.

Em 2009 foram pintados 43 mil metros quadrados de área exterior das carruagens e locomotivas da CP; em 2010,  40 mil. E em 2011 a CP gastou mais de 236 mil euros na limpeza de graffiti, a maior parte deles feitos na frota dos comboios das zonas suburbanas de Lisboa e do Porto. Aprovada em 2013 com a abstenção do PS e os votos contra dos restantes partidos de esquerda, a lei que proibiu o graffiti em locais como monumentos e “material circulante de transporte de passageiros ou de mercadorias” criou coimas que podem chegar aos 25 mil euros, mas não fez com que a actividade terminasse.

PÚBLICO -
Foto
nFactos/Fernando Veludo

A CP queixa-se que das poucas vezes em que os graffiters – também conhecidos por "writers" – são apanhados e levados à esquadra são imediatamente libertados. Muitos fazem-se acompanhar de bons advogados quando têm de se defender em tribunal, revelam fontes da transportadora. Será aind, frequente writers espanhóis virem a Portugal pintar comboios, como parece ter sido o caso desta segunda-feira. Num caso que envolveu composições do Metro de Lisboa foram identificados artistas espanhóis, ingleses e italianos. Algumas das “missões” revestem contornos de operações militares, como uma que ocorreu no Algarve, na estação de Ferreiras, em Albufeira. Um Alfa Pendular foi “atacado” por um bando de jovens que, no pouco tempo que durou a paragem, o cobriu de pinturas.

“Reprimir pura e simplesmente esta actividade não é inteligente”, observa Pedro Soares Neves, para quem as companhias ferroviárias deviam antes “desenvolver um discurso integrador” junto dos graffiters, em vez de se limitarem a hostilizá-los. Até porque, por muita segurança que exista para impedir que acedam aos comboios, os jovens arranjam sempre maneira de a contornar, encarando-a como mais um desafio a vencer.

 “O Metropolitano de Lisboa é conhecido por não deixar circular composições grafitadas”, exemplifica. Por isso, conseguir lá deixar uma marca equivale a ganhar prestígio no mundo das proezas com as latas de tinta. Em 2003 um jovem com o cognome de "Vneno" pagou a transgressão tão cara como os seus colegas de Madrid e de Matosinhos: desequilibrou-se, quando tentava chegar a composições estacionadas num cais de manobras na estação do Rato, e morreu electrocutado.

Pedro Soares Neves garante que irá falar em Londres daquilo que se passou na estação de Águas Santas: “Trata-se de um caso de estudo paradigmático.”