Roupa, brinquedos, comida, cosméticos: no Ecomarket Organii houve sustentabilidade a granel

Pelo Armazém 16 sw Marvila, em Lisboa, passaram 15 mil visitantes, interessados em participar na “eco-revolução”. O mercado de produtos bio vai na sua quarta edição.

Fotogaleria
DR
Fotogaleria
, DR,DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR

Domingo de manhã, pouco depois das 10h, a fila para comprar bilhetes vai longa. O Ecomarket é já ali ao final do corredor, ou melhor, da linha férrea. Ao atravessar, não é possível imaginar as centenas de pessoas que vão participar na “eco-revolução” das irmãs Curica, em Lisboa. O Armazém 16, em Marvila, recebeu 15 mil pessoas, menos mil do que esperava a organização, para celebrar um mundo melhor e mais sustentável.

Depois da entrada, logo à direita, está a pop store Organii com um pouco de tudo o que se vende na loja de cosmética biológica, nascida em 2009 pelas mãos de Cátia e Rita Curica. “Olá, bom dia. Já conhece a Organii?”, pergunta uma colaboradora. Em destaque está uma mesa com produtos a granel, como sabonetes ou óleos. O objectivo é diminuir o desperdício e cada cliente pode levar apenas a quantidade desejada. Na pequena loja encontram-se produtos como a pasta de dentes sólida ou as escovas de dentes para infinitas reutilizações com recargas.

Mais à frente, decorrem os showcookings, em permanência. Os bancos em cortiça estão cheios de visitantes curiosos para ouvir o que os chefs ou nutricionistas têm para partilhar. Outros, curiosos, param apenas por uns instantes, para depois seguirem na incursão pelo mundo da vida mais saudável e sustentável.

Foto
DR

Nas bancas de cada marca, há sempre um simpático cumprimento, pronto a explicar o que estão ali a apresentar. Pelo caminho, é possível ir experimentando um pouco de tudo: chá, queijo vegan, pão biológico, bolo de chocolate, etc.. Mas como não só de pão vive o homem, estão representadas marcas de roupa sustentáveis, acessórios, brinquedos, utensílios de cozinha e muito mais.

Moda responsável

Ana Costa, fundadora da marca Baseville, fala sobre moda responsável para uma plateia atenta, repleta de mulheres. “A moda e o ambiente têm de andar de mão em mão”, defenda a engenheira do ambiente. Não é novidade, mas a afirmação é o ponto de partida para uma cronologia pelo mundo ancestral da moda. “A maior invenção de todos os tempos foi a agulha. O homo sapiens só sobreviveu porque tinha roupa”, explica a oradora. 

Durante os próximos 30 minutos, explica-se a moda desde a pré-história até à revolução industrial, quando aparece o primeiro tecido sintetizado. Hoje, garante Ana Costa, “as nossas roupas são produzidas demasiado longe para nos preocuparmos”. Não é por acaso que o tema da palestra de Ana Costa é a “responsabilidade na moda”, evitando assim utilizar o termo “sustentabilidade”. “A palavra sustentabilidade está a perder força, porque estamos a abusar dela”, defende a empresária. 

Juntam-se a Ana Costa, quatro mulheres a quem a responsabilidade na moda diz muito: Sandra Dias, fundadora da plataforma Terramotto; Cristiana Costa, fundadora da marca de roupa Naz; Margarida Marques Almeida, co-autora do blogue Style it Up; e Joana Silva, fundadora da Concious Swimwear.

O “green-washing”, uma lavagem cerebral sobre falsa sustentabilidade, é um dos temas abordados. Cristiana Costa garante que “há muito green-washing para o consumidor final, mas também para as marcas”. A certificação de uma matéria-prima pode não ser suficiente para garantir que esta é de confiança, explica aos presentes a empresária.

Margarida Marques Almeida defende que, quer do lado das marcas quer do consumidor, o mais importante é a transparência. “Se a marca nos transmite confiança é meio caminho andado para compramos”, relembra a blogger. Joana Silva concorda e explica que é preciso “fazer escolhas mais conscientes e ver onde investir”.

A mesa redonda termina com o apelo de Cristiana Costa: “Comuniquem connosco”. A jovem designer garante que é fundamental que o consumidor deixe a sua opinião e dê sugestões às marcas mais pequenas, porque só assim aquelas podem melhorar.

Em conversa com o PÚBLICO, antes do arranque do Ecomarket, Rita Curica, da organização deste evento de dois dias, dizia duvidar que alguém saísse do Ecomarket sem ficar, pelo menos, inspirado. 

Foto
DR

Texto editado por Bárbara Wong