Um milhão de rebuçados Dr. Bayard, “amigo do peito” há 70 anos

A editora Pato Lógico desenrolou um rebuçado – ou muitos – para desvendar a história de uma amizade inseparável e da marca de rebuçados peitorais que celebra 70 anos.

Fotogaleria
Fotogaleria

Um livro com 56 páginas em que as ilustrações (de Marta Monteiro) estão limitadas às cores do papelinho que embrulha os rebuçados Dr. Bayard mais o dourado do próprio rebuçado, que comemora o seu 70º aniversário.

PÚBLICO -
Foto

“Quando desenrolamos um rebuçado, desvendamos a história de uma amizade inseparável”, conta a editora Pato Lógico a propósito de Um Milhão de Rebuçados, a verdadeira história de Álvaro Matias, “o herói desta história, que um dia recebeu numa pequena lata, onde estava gravada a imagem de um senhor a tossir, a lista de ingredientes para os rebuçados medicinais “capazes de curar todas as tosses” e que se tornariam um projecto de vida.

“Uma receita pode ficar esquecida. Até porque encerra sempre os seus mistérios. Desvendá-los é uma arte, ainda mais apurada do que a que se usa para desembrulhar rebuçados”, escreve a autora Inês Fonseca Santos, enquanto saboreia rebuçado atrás de rebuçado, detalhe atrás de detalhe da história de como durante a Segunda Guerra Mundial Álvaro conheceu o Dr. Bayard, o farmacêutico francês com quem partilhou amizade e sonhos.

PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
Fotogaleria

Dentro do livro, mais ou menos destapados, estão as receitas, os ingredientes, os utensílios (a lima), os métodos e as máquinas que faziam magia. A fábrica tem 16 funcionários. Um é filho e dois são netos do senhor Álvaro. Na fábrica são produzidos um milhão de rebuçados por dia. “Isto tudo está num rebuçado”. Isto tudo está num livro.

PÚBLICO -
Foto