Faculdade de Belas Artes do Porto expõe Sonhos e Raciocínios para lembrar Leonardo da Vinci

Colectiva de desenhos parte do precioso exemplar do mestre renascentista que pertence às colecções da instituição, e que está agora emprestado ao Louvre para a grande exposição comemorativa dos 500 anos da sua morte.

,Desenhando
Foto
Rapariga lavando os pés a uma criança, de Leonardo da Vinci FACULDADE DE BELAS-ARTES DA UNIVERSIDADE DO PORTO

A Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto (FBAUP) inaugura na quinta-feira uma exposição de desenhos antigos e contemporâneos para assinalar os 500 anos da morte de Leonardo Da Vinci, que se cumprem em 2019.

Sonhos e Raciocínios reúne desenhos da colecção do Museu da FBAUP, que inclui autores como Polidoro da Caravaggio e Giovanni Battista Paggi, e de artistas convidados, que têm como ponto de partida o desenho de Leonardo da Vinci que pertence ao acervo da faculdade, Rapariga lavando os pés a uma criança, conhecido como o “desenho do Porto”.

Alberto Carneiro, Álvaro Lapa, Ângelo de Sousa, António Soares dos Reis, Arlindo Silva, Bárbara Fonte, Carlo Maratti, Carlos Nogueira, Cesare Nebbia, Conceição Abreu, Fernando José Pereira, Francisco Laranjo, Francisco Tropa, Giovanni Battista Paggi, Henrique Pousão, João Jacinto, Jorge Pinheiro, Jorge Queiroz, Mário Américo, Mário Bismarck, Mattia Denise, Monika Weiss, Morgan O"Hara, Pedro H. A. Paixão, Polidoro da Caravaggio e Richard Zimler são os artistas representados.

Em comunicado, a Faculdade de Belas Artes afirma que a exposição tem por objectivo interrogar os modos de ver o desenho hoje: “Que continuidades persistem entre as rupturas que moldam a história da arte e do desenho? De que formas o desenho continua a ser um meio de relação com os outros, com o quotidiano e com a história? O que o caracteriza ainda como um instrumento de curiosidade e de mudança?”.

Os desenhos expostos – datados dos séculos XVI ao XXI – organizam-se em torno de cinco aspectos identificados no desenho de Leonardo da FBAUP: “a variante e variação, o gesto da escrita, mínimo e excesso, o gesto quotidiano e o olhar íntimo”, enumera a instituição.

“As correspondências entre os desenhos enfatizam as relações conceptuais, visuais e técnicas que os informam, revelando não só o que os desenhos contemporâneos incorporam do seu passado, mas também como a nossa interpretação do desenho antigo reflecte as categorias do presente”, acrescenta.

Em Maio, a FBAUP expôs por um dia o desenho de Leonardo da Vinci, que agora se encontra no Museu do Louvre, em Paris, onde a partir do próximo dia 24 integrará a grande exposição que marcará os 500 anos da morte do artista.

Antes, entre o final do ano passado e o início deste ano, esteve na Holanda, na mostra do Museu Teyler, em Haarlem, dedicada aos principais desenhos sobreviventes do mestre da Renascença.

Com curadoria de Paulo Luís Almeida, do Departamento de Desenho da FBAUP, a exposição Sonhos e Raciocínios ficará patente no Pavilhão de Exposições da faculdade até 14 de Dezembro.