China e Hong Kong, um conflito que já chegou ao desporto

Daryl Morey, director-geral dos Houston Rockets, da NBA, deu uma opinião pessoal sobre o conflito, escrevendo “lute pela liberdade, apoie Hong Kong”. E está a pagar por isso.

Yao Ming foi estrela dos Rockets, na NBA, antes de iniciar funções diplomáticas na China.
Foto
Yao Ming foi estrela dos Rockets, na NBA, antes de iniciar funções diplomáticas na China. Reuters/KIM KYUNG-HOON

Os Houston Rockets, uma das principais equipas da NBA, estão perante um boicote total por parte da China. Com base na hostilidade entre Hong Kong e a China, um dos conflitos geopolíticos mais complexos do globo, com escalada de violência nos últimos meses, Daryl Morey, director-geral dos Rockets, deu uma opinião pessoal sobre o assunto e fez um tweet escrevendo “lute pela liberdade, apoie Hong Kong”.

A Associação Chinesa de Basquetebol (ACB) já anunciou a suspensão da histórica parceria com a equipa texana de basquetebol, numa acção com simbolismo idelével: o presidente da ACB é nada mais nada menos do que Yao Ming, o melhor basquetebolista chinês de sempre e lenda dos… Houston Rockets. Foi, aliás, através desta parceria que Yao se tornou uma “marca”. E foi também no pós-Yao que a China se consolidou o segundo maior mercado da NBA, a seguir aos Estados Unidos.

A Tencent, principal empresa de comunicação da China, já anunciou, também, o boicote aos Rockets e a suspensão de transmissão dos jogos da equipa, de longe a mais seguida pelos fãs chineses. Também outros patrocinadores, como bancos ou marcas desportivas, suspenderam o apoio à equipa.

O veto está, para já, dependente daquilo a que os chineses chamaram “uma explicação razoável” por parte de Morey, que já pediu desculpa pelo tweet – prontamente apagado –, garantiu que não queria ofender ninguém e reiterou que as suas publicações nas redes sociais manifestam opiniões pessoais e não veiculam os Houston Rockets. Nada feito, todavia. Pelo menos para já.

Apesar de dizer que tem o melhor director-geral da NBA, o dono dos Houston Rockets já deu um “puxão de orelhas” público a Daryl Morey, dizendo que o dirigente “não fala pelos Rockets (…), que não são uma organização política, apenas joga basquetebol”. Menos meigo foi Mike Bass, chefe de comunicações da NBA, que criticou a postura de Morey: “Reconhecemos que as opiniões expressas pelo responsável dos Houston Rockets, Daryl Morey, ofenderam profundamente muitos dos nossos amigos e fãs na China, o que é lamentável”.

Em suma: um veto chinês, relações comerciais comprometidas, altos investimentos desportivos em risco, “raspanete suave” do patrão e “raspanete duro” da organização da NBA. Um tweet sobre geopolítica nunca é apenas um tweet sobre geopolítica, muito menos se envolver duas das maiores potências mundiais. E menos ainda se envolver personalidades com poder em áreas importantes como o desporto.