Torne-se perito

Navio oceânico do empresário Mário Ferreira esteve arrestado

Paquete esteve para não partir do porto de Lisboa mas a apresentação de uma garantia bancária de mais de dois milhões de euros terá permitido desbloquear a situação.

,Navio
Foto
fvl Fernando Veludo/NFACTOS

O Tribunal Marítimo de Lisboa decretou esta quinta-feira o arresto da jóia da coroa do empresário do sector do turismo Mário Ferreira, o MS World Explorer, o primeiro navio oceânico integralmente concebido e fabricado em Portugal. A apreensão judicial a que o PÚBLICO teve acesso foi decretada no âmbito de um procedimento cautelar apresentado pela Vianadecon, uma das empresas contratadas para construir o navio e que reclama mais de 2,7 milhões de euros ao empresário.

O navio estava atracado desde quinta-feira no porto de Lisboa e devia partir esta sexta-feira para uma travessia do Atlântico até ao Brasil. A viagem tinha a partida prevista para as 18 horas, mas devido ao arresto a saída foi suspensa.

Apesar de fonte oficial do empresário negar que tenha havido o arresto do navio, o mesmo foi confirmado ao PÚBLICO por Messia Moreira, da coordenação do Porto de Lisboa, que explicou que foi devido à notificação do tribunal que não foi permitida a saída da embarcação. “Entretanto a capitania de Lisboa já autorizou a saída, que está prevista para as 20h”, adiantava a profissional do porto, que não sabia explicar o motivo que tinha permitido ultrapassar a retenção.

“O navio partirá hoje [esta sexta-feira] de Lisboa em direcção ao Rio de Janeiro, na sua primeira travessia transatlântica, cumprindo o seu normal programa, que terá no Funchal o seu primeiro porto de escala”, garantia Bruno Ribeiro, um porta-voz do empresário, minutos depois das 19h. Contactado pelo PÚBLICO, o advogado da Vianadecon, Miguel Lage, recusou prestar declarações.

A decisão do tribunal marítimo foi tomada sem que tenha sido ouvida a empresa de Mário Ferreira visada, a Mystic Cruises, que quando for notificada terá um prazo de alguns dias para contestar o procedimento cautelar. Ao que o PÚBLICO apurou, a libertação do navio foi possível devido à prestação de uma garantia bancária no valor da dívida que é exigida.

A guerra judicial entre a Mystic Cruises e a Vianadecon não é de agora. Na sua base está um atraso na construção do World Explorer, um navio de 126 metros de comprimento, 19 metros de largura e com oito pisos. Contratualmente, o consórcio de empresas onde estava integrada a Vianadecon deveria ter entregado o navio oceânico em Junho do ano passado. No entanto, devido a algumas alterações que Mário Ferreira quis fazer no navio, foi acordado entre todos um adiamento para Novembro do ano passado. Mas a entrega só aconteceu no Verão deste ano.

A empresa de Mário Ferreira diz que foi muito prejudicada pelo atraso e chegou a reivindicar um crédito de 19 milhões de euros à Vianadecon, que se encontra em Processo Especial de Revitalização. Contudo, o tribunal não reconheceu a existência dessa dívida. Por seu turno, a Vianadecon garante que não é responsável pelos atrasos, apontando a culpa para a própria Mystic Cruises, que durante 2018 introduziu várias alterações no navio, nomeadamente a nível do respectivo isolamento, que obrigaram a custos extras que a empresa especializada na construção de interiores de navios reivindica.

Para pedir o arresto, a Vianadecon alegou que o navio é um objecto facilmente movimentado pelo mundo inteiro e que também não seria difícil alterar a nacionalidade do paquete, a chamada bandeira. Alega ainda que a Mystic Cruises assinou um contrato com uma empresa que organiza expedições a zonas polares, a qual possui uma opção de compra, sendo provável a venda do navio. Para concretizar esse receio, a Vianadecon exemplifica que, no final de Setembro, quando o barco estava atracado no porto de Viana do Castelo, a cor da embarcação foi mudada de um dia para o outro, sem qualquer justificação plausível.

O World Explorer, que está preparado para navegar nas águas polares com até um metro de espessura de gelo, iniciou a operação comercial no Verão deste ano e tem capacidade para 200 passageiros e 110 tripulantes. O paquete representou um investimento de 70 milhões de euros do grupo Mystic Invest, que encomendou outros dois navios desta classe aos estaleiros da West Sea, em Viana do Castelo.

Sugerir correcção