Rendas voltam a aumentar, novos contratos continuam a diminuir

O INE divulgou estatísticas de rendas de habitação a nível local e fixou em cinco euros por metro quadrado o valor mediano dos novos contratos de arrendamento, um aumento de 9,2%. A quantidade de novos contratos caiu 10,5%. Braga, Setúbal, Matosinhos e Porto foram os municípios em que o valor das rendas mais cresceu.

Foto
fau fabio augusto

O valor mediano registado nos novos contratos de alojamento efectuados nos últimos 12 meses cresceu 9,2% e situa-se agora nos cinco euros por metro quadro (€/m2). O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou esta quinta-feira as estatísticas de rendas da habitação a nível local referentes ao primeiro semestre deste ano e verificou que os municípios de Braga, Setúbal, Matosinhos e Porto foram aqueles em que o valor das rendas mais cresceu. O município de Lisboa continua a ser o que tem valor mais elevado (11,71 €/m2) euros por metro quadrado e também o que mais contratos celebrou (6272 novos contratos num ano).

De acordo com os dados divulgados pelo INE, a tendência de aumento do valor mediano das rendas mantém-se, ao mesmo tempo que se agrava a queda do número de novos contratos celebrados. Nos 12 meses terminados em Junho de 2019, o número de novos contratos de alojamentos caiu 10,5%, tendo a autoridade tributária registado 71.369 – e as áreas metropolitanas (AM) de Lisboa e Porto asseguram, sem surpresa, metade desta fatia (AM Lisboa com 33% dos contratos, e AM Porto com 17%).

São também estas mesmas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto, a que se juntam a região autónoma da Madeira e o Algarve, as únicas sub-regiões em que o valor das rendas superou o valor mediano nacional. Na área metropolitana de Lisboa, o valor foi de 7,54 €/m2, na Madeira foi de 6 €/m2, no Algarve ficou nos 5,93€/m2 e no Porto nos 5,42 €/m2. Se no semestre anterior eram 33 os municípios que registavam um valor acima da mediana nacional, no primeiro semestre de 2019 esse número subiu para 37.

O INE destaca todos os municípios que registam valores iguais ou superiores a 7 €/m2 apontando Cascais (10,23 €/m2), Oeiras (9,75 €/ m2), Porto (8,33 €/m2), Amadora (7,69 €/m2), Odivelas (7,33 €/m2), Almada (7,32 €/m2) e Matosinhos (7,25 €/m2), mais dois municípios que os assinalados no semestre anterior. Numa análise às variações homólogas, verifica-se que entre os municípios com mais de cem mil habitantes as mais elevadas foram registadas em Braga (+16,4%), Setúbal (+16,3%), Matosinhos (+16,0%) e Porto (+15,5%). E os municípios de Vila Nova de Famalicão, Barcelos e Leiria foram os únicos que registaram taxas de variação homóloga também inferiores à média nacional e com um valor mediano de renda por metro quadrado mais baixo que os cinco euros que fazem a média nacional. Há 55 municípios no país, maioritariamente no norte e centro, que registaram novos contratos de arrendamento com valores medianos inferiores a 3 €/m2.

Três vezes mais caro que no resto do país

Arrendar habitação em algumas freguesias de Lisboa é quase três vezes mais caro do que a média do país. Para além das freguesias do centro histórico, como Santo António (14,12 €/m2), Misericórdia (14,03 €/m2), também no Parque das Nações ((13,67 €/m2) os valores são muito elevados. As freguesias de Carnide (+20,5%) e Avenidas Novas (+20,1%) apresentaram as maiores taxas de variação homóloga e as de Santa Clara (8,63 €/m2 ) e Marvila (9,96 €/m2) apresentaram os valores mais baixos.

No período em análise, as freguesias da Misericórdia, Estrela, Carnide, Avenidas Novas, Campo de Ourique, São Vicente e Ajuda registaram, simultaneamente, rendas acima do valor para o município de Lisboa (11,71 €/m2) e maiores taxas de variação, face ao período homólogo, que a verificada no município de Lisboa (+12,7%). As freguesias de Marvila, Beato, Lumiar, Areeiro e Alvalade registaram, no 1º semestre de 2019, valores de arrendamento e taxas de variação face ao período homólogo inferiores aos verificados no município de Lisboa. No 1º semestre de 2019 (últimos 12 meses), tal como no período homólogo, Arroios registou o maior número de novos contratos de arrendamento (522 contratos celebrados) e Marvila o menor (58). Já no caso do Porto, e entre as sete freguesias que compõem o município, foi na União das freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde que se registou o valor mais elevado de novos contratos de arrendamento (9,62 €/m2) e a maior taxa de variação homóloga (+25,3%) durante os últimos 12 meses terminados no 1º semestre de 2019.

A freguesia de Campanhã registou o menor valor (6,84 €/m2 ) no município do Porto, enquanto a menor taxa de variação se verificou na freguesia do Bonfim: +12,0%. No período em análise, o número de novos contratos de arrendamento nas freguesias do município do Porto variou entre 838 contratos celebrados, na freguesia de Paranhos, e 178, na União das freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde.