O chafariz de São Paulo vai voltar a deitar água

Praça na zona do Cais do Sodré, onde não se vislumbra pinga de água há muitos anos, será de novo abrilhantada pelo chafariz oitocentista.

Fotogaleria
A Praça de São Paulo nos dias que correm: o chafariz é frequentemente alvo de vandalismo Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
O chafariz, em fotografia de arquivo LUIS RAMOS

Quem se lembra de ver o chafariz da Praça de São Paulo a deitar água? As torneiras fecharam-se há tanto tempo que até nas entidades oficiais paira a dúvida sobre quando isso aconteceu. A Junta de Freguesia da Misericórdia assume a ignorância e mesmo a EPAL é cautelosa na resposta: “Embora a informação seja escassa, tudo aponta para que o chafariz de São Paulo tenha sido desactivado nos anos 80 do século XX”.

A imagem do obelisco seco, escuro e degradado deverá tornar-se em breve apenas uma má memória. É isso, pelo menos, que promete a junta, que está a fazer obras no monumento precisamente para que ele retome a sua função original. “O chafariz da Praça de São Paulo será restaurado e reactivado”, confirma Bianca Castro, chefe da Divisão de Espaço Público da Misericórdia.

A obra contempla “a limpeza e restauro dos elementos pétreos”, mas o caderno de encargos inclui também “a substituição do seu sistema hidráulico de modo a que a peça tenha função ornamental através dos sopros e também de abastecimento através de uma torneira”, explica a responsável da junta.

Desejado pela população de Lisboa logo depois do Terramoto de 1755, o chafariz só viria a ser construído quase um século mais tarde, em 1849. Reinaldo Manuel dos Santos, arquitecto que pontificou nessa época pombalina e projectou outros chafarizes na cidade, chegou a desenhar um para a Praça de São Paulo, mas esse não chegou a construir-se.

A complexidade do empreendimento transparece do resumo que consta no site do Sistema de Informação para o Património Arquitectónico, gerido pela Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC): “O vigário da paróquia, em nome dos seus fregueses, enviou à princesa regente um pedido para a construção de um chafariz no local, necessário pelas muitas instituições, marítimos, Casa da Moeda e feira que se fazia no local; fez-se, então, um estudo para verificar a viabilidade da água poder vir do Chafariz da Esperança, o que não era viável, sendo a única solução a do Loreto, mas cuja condução era complicada, devido aos canos que existiam quer de chafarizes quer de particulares”.

Isto aconteceu em 1826. Daí até à efectiva construção do chafariz ainda foi preciso um abaixo-assinado, que finalmente convenceu a câmara municipal da necessidade da obra. Esta fez-se aproveitando o desenho de Reinaldo dos Santos “mas adaptando-o ao gosto moderno, com alterações introduzidas pelo arquitecto Malaquias Ferreira Leal”, diz aquele site. Mais tarde apareceria a inscrição “Marítimos” de um dos lados, indicando que daquela bica só podiam servir-se os homens do mar.

Sem pinga de água há anos, o chafariz tem sido alvo frequente de vandalismo, estando muitas vezes cheio de lixo ou grafitado. Os trabalhos “têm a duração estimada de 90 dias”, conclui Bianca Castro.