Universidade Católica é a melhor nacional para publicação britânica

Times Higher Education coloca a Católica entre as 400 melhores do mundo. É a primeira vez que, em Portugal, uma universidade privada lidera um ranking generalista de ensino superior.

Fotogaleria
Goncalo Dias
Fotogaleria
Nuno Ferreira Monteiro

A Universidade Católica está entre as 400 melhores do mundo no ranking da publicação especializada britânica Times Higher Education (THE). Aquela instituição é a melhor representante portuguesa numa das mais prestigiadas listas mundiais do ensino superior, que é publicada esta quarta-feira.

Esta é a primeira vez que uma universidade que não pertence à rede do Estado lidera um ranking generalista do ensino superior – a Universidade Católica tem-se destacado nos últimos anos nas listas especializadas das escolas de negócios que são publicadas pelo Financial Times.

A instituição universitária entrou pela primeira vez no ranking do THE há um ano, juntamente com o Instituto Politécnico do Porto, a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) e a Universidade de Évora. Na altura, ocupava uma posição entre os lugares 601 e 800 – a partir da 200.ª posição, as instituições são agrupadas em intervalos.

Este ano a Católica garante um lugar entre a 351.ª e a 400.ª melhores universidades do mundo para o THE.

Este crescimento “foi impulsionado por uma melhoria nos indicadores relacionados com a investigação, como o número de citações e, em menor grau, a produtividade da pesquisa, ou seja, o número de publicações por equipa”, explica ao PÚBLICO Tomasso Grant, do THE.

De acordo com os números disponibilizados por aquela publicação especializada, a Católica tem uma classificação muito elevada no índice de citações dos artigos científicos publicados pelos seus professores. Tem uma cotação de 94,6 (numa escala de 100 pontos), ao nível das melhores universidades do mundo. A segunda melhor nacional é a universidade do Porto, com 62,1.

O índice de citações “é o principal componente individual” do ranking, valendo 30% da classificação final, justifica Grant. Esse indicador “projectado para reflectir a qualidade da produção académica” de uma universidade, usa o número médio de citações que uma publicação de cada instituição recebe. Ou seja, a Católica não precisa de ter muita produção científica para liderar este componente do ranking, basta que os artigos considerados sejam altamente citados.

Esse fenómeno é fruto de um “trabalho de qualificação da investigação científica” na universidade, defende a reitora da Universidade Católica, Isabel Capeloa Gil. A instituição apostou numa estratégia de, privilegiando o trabalho científico em áreas onde existe “maior massa crítica”.

Agregou várias faculdades

Além disso, a Católica fez um trabalho técnico para agregar dados das várias faculdades, o que permitiu melhorar o registo na generalidade dos indicadores. “Por exemplo, os dados das faculdades de economia estavam separados do resto da instituição, o que não nos beneficiava”, explica a reitora.

Nos outros indicadores principais, a Universidade Católica tem resultados mais moderados. É apenas a 10.ª melhor instituição nacional em qualidade do ensino – a Universidade do Porto lidera; a oitava no que toca à relação com a indústria, onde a Universidade do Minho tem os melhores indicadores; e a antepenúltima nacional no índice de internacionalização, liderado pela Universidade do Algarve.

O ranking THE é a segunda grande lista de universidades publicada este Verão, depois do lançamento do ranking de Xangai, o mais antigo e mais prestigiado, no mês passado. Essa tabela é liderada, no que toca às instituições nacionais, pela Universidade de Lisboa.

Além da Católica, há mais 12 instituições portuguesas neste ranking – que tem mais de 1300 universidades de todo o mundo. A Universidade do Porto mantém um lugar entre as 500 melhores, que no ano passado lhe valia a melhor prestação nacional. Segue-se a Universidade de Lisboa, no intervalo entre a 501.ª e a 600.ª, tal como no ano passado.

A maioria das universidades portuguesas (Aveiro, Beira Interior, Coimbra, Minho, Nova de Lisboa e ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa) está classificada no intervalo 601-800. As restantes (UTAD, Algarve, Évora e Politécnico do Porto) estão entre o 801.º e o 1000.º lugares.

Em termos globais, a lista do THE continua a ser liderada pela Universidade de Oxford, no Reino Unido. A grande alteração nas primeiras posições é a subida no norte-americano Instituto de Tecnologia da Califórnia da 5.ª à 2.ª posição. A Universidade de Cambridge, no Reino Unido, fecha o pódio. As restantes universidades do top 10 são todas dos Estados Unidos da América.