Joker rapta o Leão de Ouro em Veneza

Filme de Todd Phillips, protagonizado por Joaquin Phoenix, é o prémio máximo da 76.ª edição do festival, e criou um acontecimento. J’Accuse, de Roman Polanski, recebeu o Grande Prémio do Júri.

Joaquin Phoenix é o protagonista de <i>Joker</i>
Fotogaleria
Joaquin Phoenix é o protagonista de Joker, Leão de Ouro do festival DR
Fotogaleria
Todd Phillips e Joaquin Phoenix na passadeira vermelha de Veneza ,Todd Phillips e Joaquin Phoenix na passadeira vermelha de Veneza Ettore Ferrari/ EPA
,Um oficial e um espião
Fotogaleria
J'Accuse, de Roman Polansky, Grande Prémio do Júri DR
,Martin Eden
Fotogaleria
Luca Marinelli, melhor actor, em Martin Eden, de Pietro Marcello DR
,Filme
Fotogaleria
Ariane Ascaride (à esquerda na imagem), melhor actriz, em Gloria Mundi, de Robert Guédiguian DR

Alberto Barbera, o director da Mostra de Veneza, estará feliz: o filme que andava a promover como o que mais entusiasmava da sua selecção, Joker, de Todd Phillips, entrada de uma major americana na competição de Veneza, recebeu este sábado o Leão de Ouro da 76.ª edição do festival. É que a vitória desse filme, decisão de um júri presidido pela cineasta argentina Lucrecia Martel, e integrando ainda Paolo Virzì, Tsukamoto Shinya, Mary Harron (realizadores), Piers Handling (historiador e crítico), Rodrigo Prieto (director de fotografia) e Stacy Martin (actriz), sanciona a narrativa que Barbera vem impondo no Lido: abrir o festival aos filmes que não são “filmes de festival” – Barbera entende por essa categoria, chamemos-lhe assim, uma rua sem saída – sob pena de se perder parte da excitação do cinema contemporâneo.

Todd Phillips, o realizador, e o intérprete do seu filme, Joaquin Phoenix, foram de facto responsáveis por uma parte da excitação no Lido com esta espécie de “rapto” de uma personagem dos comics, o vilão Joker, levando-o para os terrenos dos solitários anti(-heróis) do cinema americano dos anos 70. Que foi adulto, cismado, devastado, em filmes que o supervilão e inimigo de Batman devia ver como espectador, ou não estivesse sempre a disparar imaginariamente à cabeça como o Travis Bickle de Taxi Driver. Pense-se em Travis, o insone solitário de Manhattan, pense-se no Rupert Pumpkin, o desajustado aspirante a comediante de O Rei da Comédia, e eis a “dieta” existencial da figura de Arthur Fleck a caminho de se tornar Joker. É por isso que encontramos, obviamente, Robert de Niro no filme. A certa altura, a personagem de Joaquin Phoenix diz-lhe: “Acho que toda a vida te conheci”. Phoenix foi o cúmplice de que Todd Phillips precisava para este rapto cometido nas barbas dos comics. A sua dança, a sua loucura, a sua fuga são mais assistidas pelo filme do que controladas por ele. Mas também por isso é um filme que cria uma zona de inesperado, como se estivesse, até à última, a descobrir como continuar. E sem medo disso.

Leão de Ouro sem unanimidade

Quem estará feliz, também, é o júri presidido por Lucrecia Martel. Porque, mesmo não havendo razões para se duvidar que os jurados gostaram genuinamente de Joker, o filme permitiu um prémio que causou reacções efusivas, que fez acontecimento (é um herói de comics a levar o prémio num dos mais importantes festivais do mundo), o que foi oportuno coelho da cartola no culminar de um festival em que o “caso Polanski” secou tudo, todos os assuntos.

Recorde-se: no começo do festival, a presidente do júri verbalizou o seu incómodo com a presença de um acusado de violação no concurso (embora concedesse que Roman Polanski, era esse o homem, tinha o direito de aqui estar) e que lhe era impossível separar o homem da obra. Sendo J’Accuse, o filme de Polanski sobre o “caso Dreyfus” que dividiu a França na passagem do século XIX para o século XX, a grande obra do festival, um filme majestoso sobre o fim de um mundo, estava tudo suspenso para apreciar a margem de manobra que o júri iria ter. E seguramente cair-lhe em cima se....

Bem, sabe-se agora, por declarações dos jurados em conferência de imprensa, que o Leão de Ouro não foi por unanimidade. Mas Martel diz que em democracia não é preciso a unanimidade, os filmes existem para as pessoas falarem e discutirem... E mais ainda, acrescentou: ninguém imagine que se faz justiça a um filme se se separa o homem da obra, e é por isso que J’Accuse interessou aos jurados, pela visão do mundo do homem Polanski. Resultado: um importante prémio a J’Accuse, o Grande Prémio do Júri, aplausos imensos da imprensa que seguia a cerimónia pelo circuito interno de televisão – o prémio foi recebido por Emmanuelle Seigner, esposa de Polanski e actriz no filme.

Ou seja, um júri que parecia ter ficado sem capacidade de acção mostrou-se criativo na divisão do palmarés. Impossibilitado de premiar a interpretação de Joaquin Phoenix, porque os regulamentos não permitem que o filme que leva o Leão de Ouro possa acumular, escolheu o italiano Luca Marinelli, por Martin Eden, de Pietro Marcello.

Marinelli e Ariane Ascaride (melhor actriz por Gloria Mundi, de Robert Guédiguian) foram os mais emocionados e políticos discursos da noite, dedicando os prémios aos que imigram e aos que morrem no Mediterrâneo. Ascaride disse-se filha de imigrantes italianos em Marselha, é essa a sua riqueza, é essa a riqueza que o mundo não pode perder.

O prémio de argumento à animação N. 7, Cherry Lane permitiu uma boutade a Yonfan, o realizador: toda a gente critica os seus filmes por não terem drama, disse, e ei-lo a receber um prémio de argumento. Que ilumina a singularidade da obra: uma animação por um realizador que não se interessa pela animação e que utilizou a técnica porque ela seria a mais indicada para a embriaguez, a sensualidade (e o kitsch) desta homenagem a Hong Kong e aos ventos de liberdade.

E porque falamos de liberdade, falamos na solidão, na iconoclastia, na irrisão, no desespero de Franco Maresco, cineasta de Palermo. O Prémio Especial do Júri foi para o filme mais especial, mais marginal do concurso: La Mafia non è piu quella di uma volta, herdeiro de uma tradição de interpelação visceral da realidade que foi apanágio do cinema italiano, da comédia de Monicelli e do cinema político de Francesco Rosi à iconoclastia dos primeiros Moretti. Esse tom sobrevive aqui em espasmos desesperados e grotescos. E eis como os italianos ficaram afinal a adorar Lucrecia Martel.

Lista dos prémios:

  • Leão de Ouro – Joker, de Todd Phillips
  • Leão de Prata, Grande Prémio do Júri – J’Accuse, de Roman Polanski
  • Leão de Prata, Melhor Realizador – Roy Andersson, por About Endlessness
  • Taça Volpi para a Melhor Actriz – Ariane Ascaride, por Gloria Mundi, de Robert Guédiguian
  • Taça Volpi para o Melhor Actor – Luca Marinelli, por Martin Eden, de Pietro Marcello
  • Melhor Argumento – Yonfan, por N. 7, Cherry Lane
  • Prémio Especial do Júri - La mafia non è più quella di una volta, de Franco Maresco
  • Prémio Marcello Mastroianni para o Melhor Jovem Actor ou Actriz – Toby Wallace, por Babyteeth, de Shannon Murphy

Foram ainda atribuídos prémios às carreiras de Julie Andrews e Pedro Almodóvar; na secção Venice Classics, Babenco, Alguém tem que ouvir o coração e dizer: parou foi considerado o melhor documentário sobre cinema, e Extase (1933), de Gustav Machatý, o melhor restauro. O prémio FIPRESCI, da associação internacional de críticos de cinema, distinguiu J’Accuse, de Roman Polanski. O prémio Leão do Futuro, para uma primeira obra (júri presidido por Emir Kusturica), foi atribuído a You will die at 20, do sudanês Amjad Abu Alala.