No Montenegro não há ressentimentos com o passado

O leitor Miguel Silva Machado leva-nos ao Montenegro: banhado pelo Adriático, é um país montanhoso com muitas áreas verdes. “O turismo recomenda-se”.

Fotogaleria
Budva Miguel Silva Machado
Fotogaleria
Budva Miguel Silva Machado
Fotogaleria
Kotor Miguel Silva Machado
Fotogaleria
Kotor Miguel Silva Machado
Fotogaleria
Porto Montenegro Miguel Silva Machado
Cenário Montado
Fotogaleria
Kotor Miguel Silva Machado
Fotogaleria
Cetinje Miguel Silva Machado

Zoran, 58 anos, antigo pescador agora dono de táxi-barco, nascido na Stari Grad (cidade velha) de Budva, no Montenegro, é falador e não tem dúvidas. O regime de Tito tinha coisas boas, e dá exemplos locais: “Hotéis para trabalhadores de empresas estatais que assim os recompensavam.” Depois aponta para a ilha de São Nicolau: “Aquilo chamávamos Havai, agora está cheia de praias privadas, antes era uma reserva de caça e lazer criada por Tito que aqui trazia muita gente importante de todo o mundo”.

Continuamos a navegar na baía de Budva, as praias estão apinhadas, umas têm acesso livre mas as maiores são concessionadas, equipadas com camas e chapéus-de-sol, bares de apoio, casas de banho e chuveiros. A maioria dos turistas que vimos (em Julho passado) eram montenegrinos, muitos sérvios, russos e bósnios. Mal se ouviu falar inglês. A oferta é muito diferenciada em termos de preços, quer nas praias, quer na restauração, a maioria está ligeiramente mais barata do que em Portugal.

Zoran relembra os tempos em que a construção era bem menor – navegamos junto aos Dunkley Gardens, luxuoso complexo de apartamentos bem inserido na paisagem, o que não é geral – o desenvolvimento do turismo também aqui está a atrair cada vez mais gente e mais dinheiro. Sveti-Stefan, a belíssima península reconhecida mundialmente, é actualmente toda ela propriedade de uma luxuosa cadeia internacional de hotéis, à qual só se tem acesso pagando para visitar (20€) ou sendo cliente. Mesmo só para ver “por fora” vale a pena, um par de euros pagou o autocarro em Budva, o Mediteran Express, e sempre fomos ver as praias que envolvem a península e fazer umas fotografias com este cenário em fundo.

Foto
Sveti Setfan Miguel Silva Machado

Zoran deixa-nos em Bečići, baía com dezenas de praias concessionadas, e onde os divertimentos ligados à praia não param todo o dia, do jet-sky ao parasailing, os parapentes, esses, descolam lá alto das montanhas que envolvem a costa e pairam sobre nós. Este é um país montanhoso com muitas áreas verdes – numa comparação possível será a nossa Arrábida, mas muito maior. Bečići é bem mais calmo do que Budva, em cujas praias os bares competem com estridentes festas todas as tardes.

Em Porto Montenegro, a luxuosa marina alberga alguns dos iates mais impressionantes que navegam pelo Adriático e no Naval Heritage Collection visitamos um antigo submarino da Marinha Jugoslava. Bem perto, mas aqui o trânsito nas estradas junto à costa é muito intenso, a distância mede-se em tempo e não em quilómetros, fica a cidade fortificada de Kotor, classificada pela UNESCO. Muito bonita, sem dúvida, mas com a sua dose excessiva de restaurantes e lojas de recordações. Valeu a visita, quer pelas muralhas quer pelas igrejas, e seguimos depois, com mão firme no volante, pela Serpentine Road até Njeguši, a 900m de altitude. É uma estrada estreita e com muitas curvas “em cotovelo” mas a vista sobre a ria de Kotor é inesquecível. Uma sugestão: vá parando quando puder para ver a vista e não espere pelo topo, lá mesmo no alto perde-se muito da paisagem.

Cetinje, a antiga capital real, é hoje uma cidade dedicada à história e à cultura, onde estão concentrados os principais museus do país, um conjunto designado Museu Nacional do Montenegro. Aqui tanto vemos a Praça da Revolução, bustos e placas em memória dos guerrilheiros comunistas que combateram os nazis e os fascistas, alemães, italianos e locais, como uma enorme estátua de Ivan Crnojevic, um dos primeiros heróis da região que combateu os otomanos no século XV. Este respeito pelo passado monárquico e depois socialista, bem diferente do presente – o Estado actual define-se como republicano, democrático, ecológico e onde há justiça social e o primado da lei – também pode ser constatado na principal porta de entrada de Kotor, onde uma frase de Tito e o escudo da República Socialista Federal da Jugoslávia convivem com a actual Bandeira Nacional da República do Montenegro. Não parece haver ressentimentos com o passado e o turismo recomenda-se. 

Miguel Silva Machado