Aperta o cerco à greve, sindicato de matérias perigosas mais isolado

Pedido de mediação do sindicato foi recusado pela Antram, que conseguiu convencer SIMM a desisitir da greve. Ministro Pedro Nuno Santos apela ao fim do protesto.

,João Félix
Foto
Motoristas de matérias perigosas dizem que vão continuar em greve e a "exercer o seu direito" LUSA/RODRIGO ANTUNES

Ao fim do quarto dia de greve, o Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) estava cada vez mais isolado no protesto que se iniciou na segunda-feira e que está a afectar a distribuição de combustível no país.