Crítica

Daqui ninguém sai bem visto

Ethan Hawke e Noomi Rapace são as únicas razões para recomendar uma comédia policial desequilibrada baseada num facto verídico. Mas são boas razões.

O filme nunca "agarra" verdadeiramente o espectador e seria esquecível não fossem os seus actores
Foto
O filme nunca "agarra" verdadeiramente o espectador e seria esquecível não fossem os seus actores

O leitor já ouviu certamente falar da “síndrome de Estocolmo”, que acontece quando, numa tomada de reféns, estes se começam a identificar com os seus raptores do que da família ou das forças da ordem. O que o canadiano Robert Budreau aqui conta é o estranho golpe criminoso onde essa condição psicológica primeiro se manifestou: o roubo do Banco Central de Estocolmo em 1973, durante o qual os assaltantes fazem reféns duas empregadas do banco, e no decurso das negociações estas se começam a pôr do lado dos criminosos, caso verídico aqui contado de acordo com um artigo da revista New Yorker. As coisas não são, claro, assim tão simples – nunca são – e ninguém sai bem visto da história, à excepção dos reféns: vai-se a ver, o responsável pelo golpe era um bandido de bom coração procurando a liberdade do seu amigo que tomou o lugar de irmão mais velho, este por seu lado não tinha sido tido nem achado no planeamento, a polícia passou o tempo a dar tiros no pé, e uma das reféns dá uma descasca ao primeiro-ministro Olof Palme em directo na televisão.