O difícil trabalho de restaurar a floresta e a autoridade do Estado na Peneda-Gerês

Governo faz este sábado balanço, positivo, de projectos levados a cabo no parque nacional nos últimos anos. Fundador da associação Fapas elogia esforço, mas nota que é preciso muito mais.

Foto

O Estado, uma espécie levada quase à extinção no Parque Nacional da Peneda-Gerês, está de regresso às montanhas. Depois de décadas em que os recursos humanos e materiais foram minguando, e levados ao osso, nos últimos anos o actual Governo reinvestiu na contratação de pessoas e em projectos de prevenção de riscos e de recuperação de algumas das jóias da mais importante área protegida do país. O ambientalista Miguel Dantas da Gama, que viu desaparecer deste território a águia-real, e assistiu ao regresso da cabra-selvagem, saúda esta reintrodução da autoridade, mas considera que, dado o estado “calamitoso” a que o parque chegou, é necessária uma maior mobilização de recursos, humanos e financeiros, para o salvar dos próximos grandes incêndios.