Orquestra de Macau convida maestro português para digressão à China e Portugal

Pedro Neves, maestro da Orquestra Clássica de Espinho, vai dirigir a formação de Macau em cinco concertos nos dois países, entre 29 de Junho e 27 de Julho.

Maestro Pedro Neves
Foto
Maestro Pedro Neves DR

O maestro português Pedro Neves vai colaborar com a Orquestra Sinfónica Jovem de Macau (OSJM) numa digressão à China e a Portugal para assinalar os 40 anos de relações diplomáticas entre os dois países. O convite surgiu porque a OSJM “gostaria de trabalhar com um maestro português nesta digressão”, que inclui três concertos em Portugal, explicou à Lusa Pedro Neves, maestro principal da Orquestra Clássica de Espinho.

O objectivo da digressão é celebrar não apenas o 20.º aniversário da transferência de administração de Macau, mas também o 40.º aniversário do restabelecimento de relações diplomáticas entre Portugal e a China.

Pedro Neves está já em Macau para os ensaios antes do primeiro concerto, que no próximo sábado, dia 29, assinala o 22.º aniversário da Associação Orquestra Sinfónica Jovem de Macau, marcado para as 20h00 no Grande Auditório do Centro Cultural de Macau.

Numa orquestra jovem, “o maior desafio é sempre aproveitar da melhor forma a energia e a vivacidade que são próprias dessa faixa etária, colocando essa motivação ao serviço da música”, explicou Pedro Neves. A orquestra é formada por jovens músicos chineses de Macau, com a excepção do luso-descendente Júlio Miguel dos Anjos. Mas Pedro Neves acredita que “a barreira da língua é um problema quase insignificante, porque o código musical é universalmente muito forte e o entendimento entre os músicos vai muito para além das palavras”.

A colaboração do maestro com a OSJM continua em Julho, com o segundo espectáculo, no dia 19, às 19h30 na sala de concertos da National Library Arts Center, em Pequim. O programa deste concerto inclui música clássica ocidental, mas também O Mundo dos Insectos, da autoria de Doming Ngok-pui Lam, compositor nascido em Macau, e ainda uma canção inspirada pela lenda milenar chinesa Os Amantes Borboleta. “Espero que o público nos possa acolher da melhor forma, e possa compreender a mensagem das obras que vamos interpretar”, disse Pedro Neves.

Após visitar Pequim, a digressão continua em Portugal. A OSJM toca a 21 de Julho, pelas 21h30, no Festival ao Largo, em Lisboa, antes de ir ao Festival das Artes em Coimbra, a 24 de Julho. A digressão termina no dia 27 no Festival do Marvão.

Sugerir correcção