Já não há sabão azul no lavadouro de Carnide mas ninguém o quer esquecer

Finalistas do curso de Teatro da Escola Superior de Artes e Design das Caldas da Rainha fazem visitas guiadas e encenadas ao lavadouro público de Carnide. No final, recuam-se uns bons anos num workshop que dá dicas de como lavar a roupa à mão. Quem se atreve a pôr as mãos na água fria?

Fotogaleria
O Lavadouro de Carnide foi construído há quase 100 anos para dar resposta ao crescimento do bairro Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos

— “Quando a avó era pequena lavava-se a roupa à mão com sabão azul. Quando a avó era pequena a água do tanque servia para muitas pessoas e o estendal era um fio tão grande tão grande que chegava para estender a roupa de todas as pessoas que viviam no bairro, e ainda sobrava um grande bocado para pendurar a roupa das condessas. Quando a avó era pequena havia muitas coisas que já não existem, até condessas!”

Era um local onde se contavam segredos, trocavam confidências, combinavam festas. Faziam-se amizades. Lavava-se “a roupa suja” — literalmente ou não — e partilhavam-se truques para deixar a roupa mais branca. Por vezes, era até preciso andar à bulha para conseguir um lugar no tanque.

A pouco a pouco os lavadouros públicos foram desaparecendo. Hoje são lugar de memórias colectivas. Em Carnide, ainda há pelo menos um tanque público, na Estrada da Correia, que, de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h, ainda cumpre a sua função. Basta bater à porta do centro paroquial, ali ao lado, e pedir a chave. Mas tirando uma ou outra pessoa que aparece para lavar um tapete e da Dona Rosa, que ainda tira dali o seu sustento, já poucos fregueses se vêem por ali. 

É um lavadouro público municipal, dos poucos que ainda existem na cidade, e é gerido pela Junta de Freguesia de Carnide. Terá sido construído há quase 100 anos, para dar resposta ao crescimento populacional no bairro. Primeiro sem tecto, as lavadeiras apanhavam chuva e frio para conseguir pôr a roupa branca, esfregando-a no grande tanque em alvenaria. Depois, lá foi assente o tecto. A pouco e pouco, as máquinas de lavar a roupa começaram a entrar nas casas dos lisboetas. As lavadeiras que lavavam roupa para fora também começaram a desaparecer. 

“À Descoberta do Lavadouro”

Na longa vida do Lavadouro de Carnide, este espaço já serviu para várias coisas, incluindo concertos de rock. Até que em 2011, o Teatro do Silêncio, companhia fundada por Maria Gil em 2004, começou a ter ali o seu lugar cativo. E a abri-lo à comunidade, aproximando-a da prática artística.

“À Descoberta do Lavadouro” — assim chamaram a esta visita encenada — quer também recuperar a memória destes lugares que nos lembram as “formas colectivas de partilhar a água, de habitar os espaços públicos e até de convívio”, diz Maria. Sobretudo para os miúdos que ali passam e não fazem ideia do que é e para que serve aquela casinha coberta por telha Marselha sobre traves de madeira.

A junta de Carnide acabou por ceder o espaço ao Teatro do Silêncio, com a condição de aquele continuasse a ser um espaço de lavadouro, ainda que os tanques estejam quase todos vazios e os estendais sem roupa a secar.

As guias da visita são Mariana Marques e Jéssica Lopes, alunas finalistas do curso de Teatro da Escola Superior de Artes e Design das Caldas da Rainha. Como projecto final de curso, o Teatro do Silêncio desafiou-as a criarem as suas peças a partir do espaço. O resultado é uma brincadeira com o passado, onde ao longo de uma hora se tecem cordas e se penduram memórias, ao mesmo tempo que se apresentam novas opções para o espaço.

Para Mariana, de 22 anos, o lavadouro é como uma tela em branco. “Procurei pensar além da função óbvia do lavadouro. Procurar um universo diferente, em que há um sótão de bonecas. E utilizar também a ideia da pintura, da tela branca. Queria pensar se o branco é uma limitação, se é o vazio, ou se é uma tela infinita para a criação”, explicou. Já Jéssica, 21 anos, foi recolher histórias junto das senhoras das Calda das Rainhas, onde antes havia um tanque grande e se lavavam os panos. “Mas depois apareceram tanques para lavarem individualmente e muitas vezes as senhoras pegavam-se à bulha”, recorda. 

PÚBLICO -
Foto

A crise 

Hoje, além da Dona Rosa, há uma senhora que mora no prédio em frente e que tem máquina de lavar em casa que ainda ali aparece com a roupa para lavar porque diz que fica melhor lavada. Uns dias antes de termos assistido a um ensaio desta visita, um homem tinha aparecido para lavar uns tapetes porque ia arrendar a casa. 

Apesar de o lavadouro ter cada vez mais cara de museu, ali quer-se também desfazer essa ideia “do lado exótico” e “engraçado” de lavar a roupa na cidade como nas aldeias. Nos anos da crise, recorda Maria Gil, a procura por aquele espaço aumentou porque era preciso poupar na água e na luz. Ou, às vezes, não havia dinheiro para reparar a máquina que se avariara. 

“Acho que quando há essa aproximação do lado pitoresco, se esquece que estas pessoas, sobretudo mulheres, que vêm para aqui lavar roupa à mão não têm máquina de lavar em casa”, nota Miguel Bonneville que partilha com a Maria a direcção artística do Teatro do Silêncio. “Não se sabe se voltar uma crise como a de 2008 elas voltam a aparecer”.

Quem quiser descobrir as estórias e memórias deste lavadouro, pode fazer uma marcação através do 914632675 ou do email [email protected] A visita custa três euros e a próxima (e última) sessão está marcada para 30 de Junho, às 11h. No final, desafia-se a pôr as mãos na água fria para aprender a lavar a roupa à mão.