Portugal perdeu 14,4 mil habitantes no ano passado

Entrada de novos imigrantes ajudou a desacelerar decréscimo populacional. No ano passado, houve mais 25.980 mortes do que nascimentos. E os habitantes com 65 e mais anos de idade já representam 21,8% do total da população.

Foto
Portugal somava 159,4 idosos por cada 100 jovens, em 2018 NELSON GARRIDO

Portugal continua a encolher em termos populacionais. No final do ano passado, somava 10.267.617 habitantes, menos 14,4 mil do que no ano anterior. E se a diminuição populacional não foi mais acelerada foi porque o saldo migratório melhorou, permitindo um acréscimo populacional de 11.570 pessoas. Sem surpresas, o saldo natural continua negativo e para pior: houve mais 25.980 mortes do que nascimentos, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE). 

Fazendo uma actualização das projecções para 2080, o INE estima que o país estará reduzido a 7,9 milhões de residentes naquele ano, ficando abaixo do limiar dos dez milhões já daqui a 14 anos, em 2033. As mesmas projecções indicam que em 2080 o índice de envelhecimento irá duplicar, passando a ter 291 idosos por cada 100 jovens. Por essa altura, a população com 65 e mais anos de idade passará de 2,2 para 2,8 milhões, sendo que o número de idosos deverá atingir o valor mais elevado em 2048.

PÚBLICO -
Aumentar

A redução da população em 14,4 mil pessoas traduz uma taxa de crescimento efectivo negativa que se mantém constante desde 2010, ainda que, nos últimos dois anos, e porque estão a entrar mais imigrantes, por um lado, e a sair menos portugueses para viver e trabalhar lá fora, por outro, o decréscimo tenha desacelerado ligeiramente. Quanto aos imigrantes, o país passou de 36.639 entradas em 2017 para as 43.170 do ano passado, num aumento a que não deverá estar alheia a chegada de muitos brasileiros ao país.

Note-se a este propósito que a tendência dos últimos anos era que houvesse muito mais portugueses a sair do que estrangeiros a entrar o que, em 2015, por exemplo, resultou num saldo migratório negativo de -10.481 pessoas. 

Quanto à natalidade, nasceram no ano passado mais bebés: 87.020, contra os 86.154 do ano anterior. Porém, foram muitos mais os que morreram: 113 mil em 2018, contra os 109,7 de 2017, o que bastou para voltar a agravar o saldo natural negativo.

O número médio de filhos por mulher em idade fértil atingiu os 1,41 (muito longe, portanto, dos 2,1 filhos por mulher que seriam necessários para garantir a substituição das gerações), mas ainda assim bastante acima dos 1,21 filhos registados no pico da crise social e económica, em 2013.

Numa década, entre 2008 e 2018, a idade média das mulheres ao nascimento do primeiro filho aumentou 2,1 anos. Dito de outro modo, no ano passado, as mulheres tinham 29 anos de idade e oito meses em média quando foram mães pela primeira vez.

O aumento da longevidade e a baixa natalidade somadas continuaram a contribuir para o agravamento do envelhecimento demográfico. No ano passado, as pessoas com 65 e mais anos de idade já representavam 21,8% do total da população portuguesa. Mais: dos 2,2 milhões de pessoas que tinham já dobrado a esquina etária dos 65, 13,8% somavam já 85 ou mais anos de idade.

PÚBLICO -
Aumentar

Idade mediana aumentou 4,4 anos

Em 2018, a idade mediana da população portuguesa fixou-se nos 45,2 anos, isto é, metade da população residente tinha mais de 45,2 anos, contra a outra metade que ficava abaixo dessa idade. Na última década, essa idade mediada, que divide a população em dois grupos de igual dimensão, aumentou 4,4 anos (era de 40,8 anos em 2008). 

PÚBLICO -
Aumentar

Se nos quisermos comparar com a União Europeia (UE), temos que recuar a 2017, que é o último ano com dados comparáveis entre os diferentes países. E nesse ano, em que a idade mediana portuguesa era de 44,8 anos, Portugal já aparecia com o terceiro valor mais elevado, logo a seguir à Itália (46,3) e à Alemanha (46). O nosso país foi também, juntamente com Espanha, aquele em que a idade mediana mais aumentou na última década. Na média da UE, a idade mediana estava fixada nos 43,1 anos. E a Irlanda não se sai nada mal, já que tinha esse valor fixado nos 37,3 anos. 

Quando o INE divide a população portuguesa em dois grupos, o dos que têm entre zero e 14 anos de idade e o grupo dos que já passaram dos 65, este destaca-se: por cada 100 jovens, havia 159,4 idosos em 2018, se aceitamos classificar como idosos todos os que já completaram aquela idade. Há uma década atrás, o índice de envelhecimento era de 116,4 idosos por cada 100 jovens. 

Do mesmo modo, a pressão demográfica sobre a população em idade activa continua a aumentar. Por cada 100 pessoas em idade activa (dos 15 aos 64 anos de idade), contavam-se 55,1 jovens e idosos (50,2 em 2008).