Ela tem 21 anos e já visitou todos os países

Mora em casa dos pais, não tem empréstimos e diz não gastar o dinheiro em bens materiais desnecessários. Viaja low cost, trabalha pelo caminho e cria conteúdos em troca de estadia. Pisou recentemente a Coreia do Norte, o último país da sua lista.

Foto
Lexie na Líbia

Lexie Alford, norte-americana de 21 anos, tornou-se a 31 de Maio de 2019 — dia em que pisou o território da Coreia do Norte —, a pessoa mais jovem da história a ter visitado todos os países, batendo James Asquith, o anterior recordista do Guinness World Record, que tinha alcançado o feito com 24 anos.

Escreve assim na sua mais recente publicação no Instagram: “Quando comecei a viajar, nunca imaginei que tantas pessoas maravilhosas aparecessem na minha jornada. Agora parece que todos vocês estão aqui comigo. Estou muito grata por isso. Há tantas partes do mundo que estão completamente fora do radar para a maioria dos turistas. Por causa da imprensa, as pessoas acham que lugares como estes são perigosos devido a conflitos e por razões de segurança. Espero que, ao partilhar as minhas experiências, possa encorajar as pessoas a pensar duas vezes sobre os países incompreendidos. Há realmente muita bondade em todos os lugares!” Faz acompanhar a mensagem de fotos e vídeos de Madagáscar, Turquemenistão, Arábia Saudita, Guiné, Paquistão, Jordânia, Uganda, Etiópia, Curdistão iraquiano e Uzbequistão.

PÚBLICO -
Foto
A primeira foto do seu último post no Instagram, em Madagáscar

As viagens fazem parte da sua vida desde sempre. A sua família tem uma agência de viagens na Califórnia e isso fez com que coleccionasse países desde muito nova. “Os meus pais sempre tentaram expor-me a todos os modos de vida em todo o mundo. E isso teve um impacto muito profundo sobre a pessoa que sou hoje”, diz Lexie, que se auto-intitula @lexielimitless no Instagram, onde partilha as suas viagens desde 2015 (Japão), procurando responder a todos os comentários dos seus quase cem mil seguidores. “Sempre tive muita curiosidade sobre o modo de vida das outras pessoas e como eles encontram a felicidade.”

Lexie percebeu que já tinha visitado 72 países no dia em que completou 18 anos de idade (em 2016). Foi então que passou de viajante intrépida a coleccionadora dos 196 pontos no mapa. Começou então a sua missão. “A primeira vez que pensei em bater o recorde foi em Outubro de 2016 em minha casa, na Califórnia”, diz Alford, que tinha terminado os estudos e entrado num ano sabático que se foi prolongando no tempo.

PÚBLICO -
Foto
Os terraços de arroz em Bali, na Indonésia

As suas viagens, garante, são auto-sustentáveis. Faz alguns acordos com marcas ao longo do caminho. Nunca aceitou um patrocínio oficial. “Tenho trabalhado em todos os empregos que consegui encontrar e vou economizando desde os meus 12 anos”, responde nas redes sociais Lexie, hoje consultora de viagens para a empresa da sua família.

Truques? “Faço muita pesquisa com antecedência para encontrar as melhores ofertas nos voos, utilizo pontos e milhas, fico em acomodações baratas como albergues e crio conteúdos para hotéis em troca de estadia.” Mais: mora em casa dos pais, não tem empréstimo com carro ou estudos e garante não gastar o dinheiro em bens materiais desnecessários.

Na sua conta de Instagram são comuns os conselhos a viajantes ou novos aspirantes. O mote passa muitas vezes por “reconectar, desligando”. “As pessoas acham estranho, mas eu nunca usei um cartão SIM estrangeiro”, diz. “Se precisar de algo, converso com as pessoas ao meu redor. Tento estar o mais presente possível enquanto exploro os lugares, porque é um privilégio ter a oportunidade de o fazer. Não quero perder um segundo.”

O “mais gratificante” do projecto, garante, foi descobrir “países inesperados”, muitos deles com uma reputação que repele os turistas. O maior desafio, para além dos países em que sentiu o peso de ser uma mulher viajante, foi a Coreia do Norte, o último país da sua lista. De acordo com as directrizes do Guinness World Record, basta pisar o lado norte-coreano da Área de Segurança Conjunta, mas até esse passo foi complicado para uma cidadã norte-americana. Uma brecha permitiu-lhe picar o ponto. Mas Lexie pretende voltar assim que a proibição for suspensa.

PÚBLICO -
Foto
O Iémen foi o 127.º país na lista de Lexie