Morreu activista angolano José Patrocínio

Fundador da organização não-governamental OMUNGA, de defesa dos direitos humanos, estava internado há alguns dias em Benguela.

Foto
José Patrocínio no palácio presidencial, em Dezembro: é o último à direita, de barbas brancas AMPE ROGERIO/EPA

José Patrocínio, fundador da organização não-governamental OMUNGA de defesa dos direitos humanos e culturais em Angola morreu na madrugada deste sábado, no Hospital Geral de Benguela.

A notícia da sua morte é confirmada por vários amigos e membros da OMUNGA. O activista, de 57 anos, foi um dos representantes da sociedade civil convidados pelo Presidente João Lourenço para uma reunião no palácio presidencial em Dezembro de 2018.

Agrónomo de formação, o líder desta organização cívica interveio em muitos casos de demolições em Angola. Em 2010 lançou um documentário com o título Não partam a minha Casa, recorda a Lusa.

A agência de notícias estatal angolana, ANGOP, também confirmou a morte de Patrocínio com uma fonte ligada à OMUNGA. O activista teria sido internado com “muitas dores”, mas não especificava as razões da morte.

“Angola perdeu hoje uma das pessoas que com mais intensidade a amou, fazendo da sua vida uma ininterrupta serenata que obstinadamente lhe dedicou”, escreveu no Twitter Luaty Beirão, outro destacado activista angolano.