Milhares de pessoas no funeral “à altura da dimensão histórica” de Savimbi

A cerimónia fúnebre da UNITA ao seu fundador e líder histórico, morto há 17 anos em combate, foi realizada este sábado, num ambiente de “grande comoção”, diz o porta-voz do partido.

Foto
Os restos mortais de Savimbi foram entregues à família na sexta-feira AMPE ROGÉRIO / LUSA

Ao fim de 17 anos, o líder histórico da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), Jonas Savimbi, teve finalmente uma cerimónia fúnebre na aldeia de Lopitanga, onde também estão enterrados os seus pais. A informação foi confirmada ao PÚBLICO pelo porta-voz do partido, Alcides Sakala, que falou num momento “histórico”.

As cerimónias começaram por volta das 11h00 e duraram quatro horas, disse Sakala. A Lopitanga, aldeia perto do Andulo, na província do Bié, acorreram milhares de pessoas, mais do que era esperado, segundo o dirigente da UNITA. “Tudo correu como previsto, num ambiente de muita solenidade e muita comoção”, descreveu Sakala ao PÚBLICO, por telefone, acrescentando que não houve qualquer problema de segurança. A cerimónia “esteve à altura da dimensão histórica” de Savimbi.

O líder histórico do movimento anticolonial angolano foi morto em 2002, durante uma operação militar, mas o seu cadáver nunca foi entregue à família ou ao partido do “galo negro”. Na altura, Savimbi acabou por ser enterrado no cemitério municipal de Luena, no leste de Angola, sem direito a exéquias. Na véspera do enterro, um dos filhos de Savimbi, Durão Sakaíta, disse à agência Lusa que a família “ficará finalmente em paz”. 

A trasladação dos restos mortais de Savimbi era uma reivindicação antiga da UNITA, mas que sempre foi recusada pelo anterior Presidente, José Eduardo dos Santos. A subida ao poder de João Lourenço permitiu que a iniciativa progredisse, apesar da contestação de alguns sectores do MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola), que mostraram reservas em relação ao mediatismo das cerimónias fúnebres do líder do grupo contra quem combateram durante a guerra civil.

As cerimónias deste sábado não contaram com a participação de nenhum membro do Governo angolano, disse Sakala. Depois da independência angolana, Savimbi liderou a UNITA, com apoio sul-africano e norte-americano, na guerra civil contra o MPLA, apoiado pela União Soviética. Recusou reconhecer a derrota nas primeiras eleições, em 1992, e voltou a pegar nas armas. Em 2002, numa altura em que a guerrilha estava já enfraquecida, enquanto o MPLA estava consolidado no poder, Savimbi foi morto e o conflito terminou.

Passo para a reconciliação

O processo de transferência dos restos mortais de Savimbi do cemitério municipal do Luena, no leste de Angola, para a aldeia do Lopitanga, ficou marcado por alguma polémica. A liderança da UNITA esperava receber as ossadas do seu líder histórico no Cuíto, mas o Governo decidiu entregá-las directamente à família, depois de alguns dias de impasse. Foi a intervenção de João Lourenço, na semana passada, que permitiu a conclusão dos procedimentos, evitando transformar a exumação do corpo de Savimbi numa luta política.

Nas cerimónias estiveram presentes vários representantes estrangeiros, incluindo o ex-ministro português João Soares, que era amigo pessoal de Savimbi e um apoiante da UNITA. Na véspera, Soares destacou o “lugar incontornável na história de Angola e de África” ocupado por Savimbi. “Se alguém tinha dúvidas sobre a dimensão de Savimbi, 17 anos depois de morto, seria possível com qualquer outro haver estas reacções?”, questionou, em declarações ao Novo Jornal.

O enterro de Savimbi “representa a necessidade de se reflectir o processo de reconstrução nacional”, diz Sakala. Para o dirigente da UNITA, o ex-líder guerrilheiro “tem um valor histórico acrescido pela luta pela democracia, numa altura em que Angola estava sob o cunho dos países de Leste para impor o marxismo e o sistema de partido único”.

O analista da Chatham House, Alex Vines, encara a trasladação do corpo de Savimbi como “mais um passo rumo à reconciliação”. “Apesar de todos os seus defeitos, Jonas Savimbi era apoiado por uma parte significativa da população angolana e o seu partido continua a ser uma força política importante hoje em Angola”, afirmou, citado pela AFP.