Fridão: EDP ainda não deu “razão concreta” para querer construir a barragem

O ministro do Ambiente reitera que a barragem no Tâmega não avança e diz que os argumentos da empresa “não convencem”.

Matos Fernandes diz que EDP tem "papel fundamental" no cumprimento das metas de renováveis do país
Foto
Matos Fernandes diz que EDP tem "papel fundamental" no cumprimento das metas de renováveis do país LUSA/JOÃO RELVAS

O ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, que está a ser ouvido esta quarta-feira na comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas (CEIOP), afirmou esta quarta-feira que ainda não viu a EDP apresentar “nenhuma razão concreta” para que “queira construir a barragem” de Fridão e que “os argumentos” invocados pela empresa não o convencem.

Referindo-se às declarações do presidente da empresa, António Mexia, o governante afirmou que, pelo contrário, aquilo que viu “na televisão” foi uma afirmação de que “o melhor negócio que a EDP pode fazer” é não construir e receber de volta os 218 milhões de euros que pagou ao Governo de José Sócrates, em 2009.

“Isso não me convence”, disse Mato Fernandes aos deputados. O ministro, que anunciou na Assembleia da República, em Abril, que nem a barragem avança, nem a EDP terá direito a reaver a contrapartida financeira, reiterou que o seu gabinete recebeu duas cartas da eléctrica – numa delas a empresa manifestou “o desejo de não fazer [Fridão]” e noutra, a de fazer um projecto de “menor dimensão” (cenário que não é viável pelas regras da contratação pública, explicou o governante).

“Fridão faz falta para cumprirmos metas de energia renovável? Não faz e por não fazer falta é que nos associamos à posição da EDP”, acrescentou.

A EDP reagiu ao anúncio de Matos Fernandes em Abril afirmando que a empresa “nunca admitiu a possibilidade de não avançar com a construção” da barragem sem reaver os 218 milhões. Além disso, a eléctrica também escreveu ao Ministério do Ambiente para notar que é ao Estado que compete tomar a decisão sobre a construção ou não do empreendimento de Fridão e que ainda está à espera que o Estado esclareça a sua posição. Caso não haja resposta, a EDP entende que está em condições de exigir que se faça a assinatura do contrato de concessão da barragem.

No dia 5 de Junho, António Mexia vai ser ouvido na comissão parlamentar de Ambiente para falar sobre este tema.

Sublinhando que o Governo não tem “nenhum preconceito contra ninguém, nem contra a EDP”, Matos Fernandes assegurou na comissão de Economia que o seu gabinete reúne diversas vezes com as empresas e que a eléctrica que lidera a produção energética no país “é uma empresa fundamental” para que Portugal cumpra os objectivos de reforçar a produção eléctrica a partir de fontes renováveis até 2030.

Na intervenção inicial, Matos Fernandes já tinha frisado que o perfil de produção de renováveis do país iria alterar-se nos próximos anos, não só porque a vertente hidroeléctrica está já bastante explorada, mas “porque a água terá utilizações mais prioritárias”.

“Não vale a pena apostar na construção de barragens quando há redução de água, devendo as mesmas ser analisadas caso a caso”, afirmou o ministro, destacando que a aposta passa pela instalação de mais centrais solares e pelo reforço dos a parques eólicos, processo em que a EDP – nomeadamente a EDP Renováveis – terá um papel fundamental.