Foi há 100 anos que Einstein se tornou uma popstar

Uma roça na ilha do Príncipe e uma cidade no Brasil foram escolhidas como os sítios privilegiados de observação de um eclipse total do Sol. Tais observações validaram há um século a teoria da relatividade geral. Esta quarta-feira o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vai estar na roça para a festa.

Foto
Fotografia do eclipse total do Sol a 29 de Maio de 1919 tirada durante a expedição chefiada pelo astrónomo britânico Arthur Eddington à ilha do Príncipe Royal Astronomical Society

Ao cumprirem-se esta quarta-feira 100 anos da confirmação experimental da teoria da relatividade geral está também a celebrar-se um século de glória de Albert Einstein (1879 – 1955). Se Einstein já tinha até aí um lugar imortal na história da ciência – pelos cinco artigos científicos que tinha publicado em 1905, incluindo o da teoria da relatividade restrita, onde surge a ideia E=mc2 –, o primeiro grande teste à teoria da relatividade geral de 2015 catapultou-o para a estratosfera da fama, tornando-o um ícone da cultura pop. Einstein superstar, símbolo não só da ciência mas do génio humano, nasceu a partir de 29 de Maio de 1919, quando duas expedições britânicas, uma à ilha do Príncipe, então território português, e outra à cidade de Sobral, no Nordeste do Brasil, confirmaram através da observação de um eclipse total do Sol que a teoria da relatividade geral estava certa. Desde então, a relatividade já passou por várias confirmações. E agora?