Três franceses condenados à morte no Iraque por pertencerem ao Daesh

O tribunal ignorou o pedido dos três condenados para serem julgados em França. O Governo de Paris tem defendido que os combatentes do jihadismo devem ser julgados no Iraque ou na Síria.

Foto
ELOISA LOPEZ/Reuters

Um tribunal iraquiano condenou neste domingo à morte três franceses acusados de pertencerem ao Daesh. O Iraque está a levar a cabo milhares de julgamentos de pessoas suspeitas de terem pertencido ao grupo jihadista, incluindo centenas de estrangeiros, muitos deles presos depois de o grupo ter sido derrotado no país e na Síria.

Os três homens foram levados da Síria para o Iraque em Fevereiro e fontes militares disseram que há 14 franceses entre os 280 detidos (estrangeiros e iraquianos) entregues pelas Forças Democráticas da Síria (SDF), apoiadas pelos EUA.

Segundo as fontes ouvidas pela Reuters, estes 14 franceses começaram a ser julgados em Março.

Os três homens já julgados “foram condenados a serem executados depois de ter sido provado que tinham pertencido à organização terrorista Daesh”, disse uma fonte do tribunal que não se identificou por não estar autorizado a falar com a comunicação social.

“Os franceses disseram que rejeitavam a decisão do tribunal e pediram para serem julgados em França, mas os juízes ignoraram o pedido”, disse um advogado. Existe a possibilidade de recurso.

O Governo francês tem-se recusado a aceitar de volta combatentes do Daesh e as suas mulheres (ainda que tenha recebido algumas crianças).

O ministro Jean-Yves Le Drian, com a pasta dos Negócios Estrangeiros, tem-se referido a estas pessoas como “inimigos” da nação e defendido que devem ser julgadas na Síria ou no Iraque.