BLR bruno lisita
Foto
BLR bruno lisita

Megafone

E se nós, millennials, fizermos do voto uma moda?

Mostrem que são os cidadãos que hoje procuram fazer mais exercício físico, comer de forma mais saudável e que vão para a rua gritar que não existe planeta b.

Eleição sim, eleição sim, a grande vencedora das eleições é sempre a mesma suspeita do costume: a abstenção. Abstenção essa que nos deveria chocar a todos e recordar todos aqueles que pereceram para que hoje, e de forma livre, homens e mulheres possam exercer o seu direito ao voto.

A abstenção é dona e senhora em tempo de eleições europeias porque para muitos a Europa é um continente que fica lá muito longe e não nos serve de nada eleger meia dúzia de cabeças que vão engordar por mês cerca de 20 mil euros à conta dos cidadãos dessa mesma Europa. Esquecemos com uma imensa facilidade para que serve a Europa e que ela começa na nossa identidade porque o nosso passaporte, antes de tudo o resto, é Europeu.

A pele da Europa é feita por cada um dos cidadãos de cada Estado-membro e aqueles que vão auferir os valores que refiro são os representantes dos nossos direitos, são os nossos braços numa Europa que se quer progressista e solidária, uma Europa que nós, millennials, esperamos que saiba proteger o nosso planeta.

As razões que as pessoas apresentam para naquele dia específico não votarem são sempre muitas e extremamente inusitadas: porque choveu, porque a praia e o sofá estavam muito apetecíveis, porque simplesmente os políticos são todos iguais. Deixa-se assim o destino na mão de todos os outros para na semana seguinte abrirmos o peito no bitaite de café para nos queixamos da vida e dos “donos disto tudo”, que ajudamos a eleger porque não fomos votar. E quem não vota deve ter sempre presente que é cúmplice da hipotética má democracia e da hipotética governação danosa.

No entanto, eu tenho esperança que a minha geração, que é aliás a geração que apresenta piores valores de abstenção no futuro presente, dê a volta a estes números. Afinal, as novas gerações são aquelas que estão na rua a pedir à Europa que proteja o nosso planeta.

E se em dia de eleições encherem de stories as redes sociais com a ida ao local onde votam, demonstrando assim que são cidadãos activos e preocupados? Mostrem que são os cidadãos que hoje procuram fazer mais exercício físico, comer de forma mais saudável e que vão para a rua gritar que não existe planeta b.

No fundo esta geração à rasca está a tornar-se numa geração que procura defender os valores certos de forma rebelde, expressiva e massiva. Não estou com isto naturalmente a sugerir que sucumbam à proibição de fotografar o boletim de voto. Mas aqueles que partilham tudo e mais alguma coisa podem e devem, a meu ver, também partilhar e tornar uma moda este dever cívico que nos pertence a todos.

Façamos uso das armas vazias do tempo presente para um dia contarmos às futuras gerações do país: “Sabes, no meu tempo partilhávamos tudo e mais alguma coisa na Internet, no entanto, e apesar de toda aquela futilidade, acreditas que fizemos com que uma geração inteira exercesse o seu direito ao voto?”

Eu sei que sou uma sonhadora mas gosto sempre de acreditar que posso não ser a única. Dia 26 de Maio o voto e a Europa chamam por ti. Só isto já é um bom motivo para sair do sofá, não te parece?