Siri Hustvedt distinguida com o Prémio Princesa das Astúrias de Letras

Fundação espanhola premeia escritora norte-americana, classificando a sua obra como “uma das mais ambiciosas do panorama actual das letras”. Tem seis títulos traduzidos em Portugal.

Siri Hustvedt fotografada em Lisboa, em 2009
Foto
Siri Hustvedt fotografada em Lisboa, em 2009 Pedro Cunha

A escritora norte-americana Siri Hustvedt foi distinguida nesta quarta-feira com o Prémio Princesa das Astúrias. “A sua obra é uma das mais ambiciosas do panorama actual das letras”, diz o comunicado do júri, reunido em Oviedo.

Descendente de emigrantes noruegueses, a autora de livros como O Mundo Ardente (2014) e Elegia para Um Americano (2008) aborda na sua obra “aspectos que desenham um presente convulso e desconcertante, a partir de uma perspectiva com raiz feminista, fazendo-o através da ficção e do ensaio, como uma intelectual preocupada pelas questões fundamentais da ética contemporânea”, diz ainda o comunicado do prémio asturiano.

Comentando a distinção, Siri Hustvedt, que é mulher do escritor e cineasta Paul Auster, disse-se simultaneamente “surpreendida mas feliz, encantada e agradecida”.

Os livros de Siri Hustvedt desdobram-se pelo romance — o mais recente dos quais, Memories of the Future, não tem ainda tradução portuguesa —​ e pelo ensaio, mas escreve também memórias, poesia e, inclusivamente, argumentos para cinema — como o que co-assinou com o seu marido, The Center of the World (O Preço da Fantasia, realizado em 2001 por Wayne Wang).

As obras de Hustvedt estão traduzidas em mais de 30 idiomas e “contribuem para o diálogo interdisciplinar entre as humanidades e as ciências”, nota ainda o comunicado do prémio.

Instituído em 1980 pelo então príncipe Felipe das Astúrias — actual rei de Espanha —​, o prémio visa distinguir pessoas, entidades ou organizações de todo o mundo que tenham alcançado feitos notáveis nas áreas das ciências, das artes e humanidades e da vida pública.

Licenciada em História e doutorada em Literatura Inglesa, com uma tese sobre Charles Dickens —​ Figures of Dust: A Reading of Our Mutual Friend —, Hustvedt tem vindo a lidar com a dificuldade de se libertar da condição “mulher de... Paul Auster” (também já distinguido com o prémio asturiano em 2006): “a mulher de um escritor famoso que surge sempre como o responsável da educação da sua mulher”, comentou um dia a escritora, citada pelo jornal espanhol El País. Uma reflexão que perpassa também pelo seu ensaio mais recente, A Woman Looking at Men Looking at Women.

As ciências, em particular a psicanálise e as neurociências, mas também a militância feminista e anti-Trump são outros temas na “agenda” da escritora.

Em português, Hustvedt tem traduzidos os seguintes livros: De Olhos Vendados (Asa, 1995), Fantasias de Uma Mulher (Asa, 1999), Aquilo Que Eu Amava (Asa, 2005, e Dom Quixote, 2014), Elegia para Um Americano (Asa, 2009), Verão sem Homens (Dom Quixote, 2012) e O Mundo Ardente (Dom Quixote, 2014).