Em cinco anos fechou um quarto das bancas de jornais no Grande Porto

No Norte, fecharam mais de 500 pontos de venda, mas o cenário é semelhante no resto do país. Os números são calculados a partir das rotas existentes na distribuidora que actualmente detém o monopólio da actividade. À boleia da Vasp, o PÚBLICO acompanhou uma madrugada do processo de distribuição.

Fotogaleria
NELSON GARRIDO
Fotogaleria
NELSON GARRIDO
Fotogaleria
NELSON GARRIDO
Fotogaleria
NELSON GARRIDO
Fotogaleria
NELSON GARRIDO
Fotogaleria
NELSON GARRIDO
Fotogaleria
NELSON GAARIDO

Duas horas e meia foi o tempo que um dos 110 distribuidores da Vasp do Norte, Nuno Pereira, demorou a abastecer três dezenas de pontos de venda de imprensa de uma das cerca de 70 rotas de distribuição do Grande Porto. O trabalho é feito de madrugada. O horário pode variar. Depende sempre da hora a que a carga sai da Maia, onde estão as instalações da distribuidora que actualmente detém o monopólio deste sector, que, a cada ano que passa, assiste a quebras consecutivas nas rotas de distribuição.