Como começou a linguagem, a arte ou a religião?

A nova colecção Eu amo Ciência arranca com a publicação de seis livros, até ao final deste ano, com temas desde o cosmos à evolução humana. Jürgen Kaube é o autor da primeira obra que procura explicar as origens daquilo que nos torna humanos – desde a escultura à música.

Jürgen Kaube, autor do livro <i>As Origens de Tudo</i>
Foto
Jürgen Kaube, autor do livro As Origens de Tudo DR

A Desassossego, a chancela de não ficção da editora Saída de Emergência, pretende publicar entre quatro a seis livros por ano sobre temas científicos. Genética, astrofísica, saúde ou a origem da vida na Terra são alguns dos assuntos que serão publicados através da colecção Eu amo Ciência. O primeiro livro, As Origens de Tudo, acaba de ser publicado e explica a origem de vários processos culturais humanos, desde a arte e a música até o Estado e a religião. O alemão Jürgen Kaube, autor do livro, veio a Portugal ajudar a responder à pergunta: como é que isto surgiu?

“Este livro é sobre inovações sociais e não sobre inovações tecnológicas”, explica ao PÚBLICO Jürgen Kaube, que também é um dos editores do jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung e especialista na área da divulgação científica. Por isso, este livro não é sobre a origem das armas ou do fogo, mas revela inovações que alteraram estruturalmente a sociedade em que vivemos, até aos dias de hoje. E o que são inovações sociais? “São inovações em que tenham de existir duas ou mais pessoas. A linguagem ou o Estado não fazem sentido sem pelo menos duas pessoas”, esclarece o escritor.

Algumas destas inovações recuam tanto no tempo que são impossíveis de datar com precisão, como é o caso da origem do caminhar erecto. Sabe-se que ocorreu há milhões de anos, talvez porque a locomoção bípede permite poupar mais energia durante as deslocações ou porque possibilita o alcance de alimentos que estão em locais mais elevados. No entanto, a resposta não é certa, pois “quanto mais distante estivermos no tempo, mais as respostas são de natureza especulativa”, diz Jürgen Kaube. A distância temporal não é o único obstáculo ao conhecimento das origens: “Algumas coisas não deixam vestígios ósseos, como é o caso da linguagem, da música ou da religião.”

Assim, estes temas são aqueles em que há menor número de respostas claras. “A origem da linguagem foi a parte mais difícil”, confessa Jürgen Kaube. “É um capítulo em que há muita investigação científica, mas a proporção entre a informação que existe e as respostas conseguidas é muito baixa.”

“Os animais não pintam”

O autor introduz a obra com a única inovação tecnológica presente no livro: a roda. “A roda está relacionada com a natureza assim como todas as inovações neste livro”, começa por explicar. Grande parte das inovações tecnológicas são inspiradas em elementos da natureza: “Podemos dizer que o martelo é um punho ou que a seta é um prolongamento do braço”, exemplifica Jürgen Kaube. Pelo contrário, as inovações sociais apresentadas não têm qualquer analogia com a natureza. “Os animais não têm Estado, não fazem arte e a maioria das espécies não é monogâmica”, nota o autor. Também a roda foi uma inovação que teve de ser pensada e desenvolvida totalmente a partir da espécie humana: “Não há nada na natureza que tenha rodas. Até o planeta não tem um movimento circular, mas elíptico.” 

Outra das várias inovações sociais que é mencionada no livro é a origem da arte, o capítulo que mais fascinou Jürgen Kaube. “A arte é uma coisa que parece ser completamente inútil para as sociedades que a desenvolveram”, expõe o escritor. Apesar de esculpida pela natureza, uma pedra de jaspe vermelho-acastanhada encontrada há três milhões de anos, numa gruta no Norte de África do Sul, foi considerada a primeira obra de arte da humanidade por não lhe ter sido atribuída qualquer utilidade enquanto ferramenta. “Nesta época, os humanos viviam numa lógica muito parecida com os animais – comiam, caçavam e morriam. Por isso, tinham de pensar onde é que estava a diferença. Talvez eles tenham pensado: os animais não pintam.”

O livro está repleto de perguntas e de teorias que podem contribuir para as suas respostas, embora muitas não sejam ainda hoje conclusivas. “A minha teoria favorita é de que a música surgiu para acalmar os bebés quando eles choram. Não é definitiva, mas é uma boa teoria”, revela o autor. A obra demorou cerca de um ano e meio a ser escrita e inúmeras horas de pesquisa. Na opinião de Jürgen Kaube, este tipo de literatura científica “é uma oportunidade para ler sobre aquilo que os cientistas fazem e para ter uma noção do que é o conhecimento”.

A criar cépticos

Esta colecção surgiu como “resposta a um problema”, conta ao PÚBLICO Luís Corte Real, editor da colecção Eu amo Ciência. Ter conhecimento científico ajuda a combater a emergência das fake news ou dos movimentos pseudocientíficos como o das antivacinas. “Na editora, sentimos que tinha chegado a hora de fazer algo”, revela o editor. Assim nasceu esta colecção, para trazer aos leitores conteúdos cientificamente válidos que pretendem tornar o conhecimento científico mais acessível e uma fonte de conhecimento mais consultada. 

“Ao publicar livros sobre ciência, ajudamos a criar cépticos que usam a razão para fazer as suas opções”, aponta Luís Corte Real. Apesar de não ser o género literário mais procurado pelos portugueses, diz o editor, Luís Corte Real acredita que “em Portugal também há leitores para livros de divulgação científica”. A colecção pretende publicar livros de cientistas portugueses.

Para já, depois de As Origens de Tudo, segue-se a publicação dos Cérebro (de Marco Magrini), Uma Breve História de Todas as Pessoas que Já Viveram (de Adam Rutherford) e Origens (do famoso apresentador e astrofísico norte-americano Neil deGrasse Tyson, sobre a evolução cósmica do Universo).

Para a abertura da nova colecção de divulgação científica, a editora escolheu uma frase do físico norte-americano Brian Greene, que constará em todos os seus livros: “Quando as crianças olharem para os grandes cientistas como olham para os grandes músicos e actores, a civilização vai avançar para o nível seguinte.”

Texto editado por Teresa Firmino