Autocaravanas transformam a costa alentejana num “bairro de lata” com vista para o mar

Chegam, na sua maioria, do norte da Europa, invadem parques de estacionamento, ocupam as falésias, não respeitam sinais de trânsito e deixam um rasto de sujidade e de práticas ilegais.

Foto
ANTONIO CARRAPATO / PUBLICO

Os autarcas não têm dúvidas: apesar das regras e sensibilização, a situação só piora. Por toda a costa, de Sines a Sagres, multiplicam-se as “casas com rodas”, poluentes e que criam uma barreira de lata à beira-mar. A Associação de Freguesias do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina (PNSACV), que integra as freguesias dos concelhos de Sines, Odemira, Aljezur e Vila do Bispo, aprovaram recentemente uma tomada de posição contra o autocaravanismo sem regras. E exigem das entidades fiscalizadoras maior capacidade de intervenção e alterações à lei para pôr termo a um problema que “se agravar, tornando-se potencialmente gerador de conflitos”.  

No comunicado enviado ao PÚBLICO, a associação de freguesias refere que a pressão do auto-caravanismo selvagem incide mais nas praias do Malhão, Aivados, Furnas, Alteirinhos, Odeceixe, Amoreira, Monte Clérigo, Bordeira, Amado, Vale Figueira, Cordoama, Ingrina, Zavial, Barranco, Tonel, Mareta, Beliche entre outras.

Teresa Neta, residente em Sines, descreveu ao PÚBLICO as consequências de um “turismo desenfreado e desrespeitador que está a ameaçar uma das mais belas zonas e de maior interesse paisagístico e ecológico da Costa Alentejana e Vicentina”. Os estacionamentos junto à orla marítima de Porto Covo, nomeadamente o da Praia Grande, “estão a ser tomados de assalto por autocaravanas, com total desrespeito pela sinalética e pelos passeios, muitos deles já com sinais de destruição, tornando-os zonas de campismo ilegal, desordeiro e extremamente funesto.”

Também o presidente da Assembleia de Freguesia, Bruno Cabecinha, se insurge contra um cenário “indescritível” destacando a “falta de respeito” dos que chegam a Milfontes em “roulotes, carros e carrinhas”. Quando partem, deixam “montureiras” de lixo, de onde sobressaem “dodots, papel higiénico e fraldas de bebé”, deixando o espaço onde permaneceram em condições de salubridade e higiene “tão degradantes” que causam um misto de revolta e de repulsa na população de Milfontes, que passou a “viver alarmada” com as atitudes agressivas dos caravanistas quando lhes chamam a atenção.

“O fenómeno deste tipo de caravanismo selvagem, está a atingir proporções inimagináveis”, sublinha o autarca de Milfontes. “Não há praia, vila, pinhal ou miradouro que não esteja apinhado de caravanas de turistas espanhóis, franceses, alemães, etc”, sem que estejam sujeitos a qualquer restrição, explica Bruno Cabecinha, realçando a questão da segurança, que não pode ser menosprezada, “já que a livre circulação destas viaturas propicia todo o tipo de práticas ilegais e criminosas.”  

Tanto a costa alentejana como a costa vicentina, onde prevalece “uma beleza natural que se pretende preservada”, estão transformadas “num autêntico bairro de lata” por aqueles utilizadores que ocupam o território com caravanas e “usam as dunas, caminhos e trilhos como instalações sanitárias”, salienta o autarca.

Usam e abusam

O problema maior, prossegue Bruno Cabecinha, reside nas viaturas que foram transformadas em autocaravanas e aparecem “às centenas”, impedindo o acesso às praias e “tapando as vistas daqueles que pagam um preço elevado para se hospedarem em locais onde possam comer ou dormir a ver o mar”.

Outro comportamento grave reside no desrespeito pelos sinais de trânsito. “Usam e abusam” da circulação em sentido contrário, estacionam onde não podem e chegam a ficar presos quando circulam nas ruas mais estreitas, prossegue o presidente da Assembleia de Freguesia de Milfontes, frisando que “é o supermercado local e a bomba de gasolina que ganham com a situação”. O comércio da restauração, pensões, pousadas ou hotéis não merecem a preferência dos caravanistas.

A associação de freguesias do PNSACV refere no seu comunicado que este é um assunto “do conhecimento” da secretaria de Estado do Turismo e já foi tema abordado em audiências de comissões parlamentares, nas quais participaram autarcas locais e representantes da Associação dos Parques de Campismo do Alentejo e Algarve (APCAA). Salientam ainda que as direcções regionais de Turismo do Alentejo e do Algarve, bem como o Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF) e autoridades locais, “estão cientes desta problemática.”

Os autarcas consideram que se torna cada vez mais “indispensável haver uma fiscalização mais eficaz destas actividades, especialmente em zonas sensíveis como a do PNSACV”, pois apesar das várias acções de sensibilização desenvolvidas para a alteração de “hábitos e actos abusivos, a verdade é que a situação está cada vez pior”.