Motoristas de pesados voltam à greve esta segunda-feira

Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias convocou uma paralisação junto dos trabalhadores da empresa João Pires Transportes, uma das maiores transportadoras do país.

Foto
Diogo Baptista (arquivo)

Nota: A fotografia publicada com esta notícia é meramente ilustrativa e não pretende noticiar que os motoristas da empresa proprietária do camião estarão ou não em greve na próxima segunda-feira.

Os motoristas de veículos pesados de mercadorias voltam à greve esta segunda-feira. Desta vez, trata-se de uma greve convocada pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM) que abrangerá os trabalhadores da empresa de transportes João Pires Transportes, Ltda, com sede em Vila Nova de Cerveira. É uma das maiores transportadoras do país com uma frota de cerca de 200 veículos.

A semana passada ficou marcada por uma greve do Sindicato dos Motoristas de Materiais Perigosos que paralisou o país durante vários dias e que secou os postos de gasolina em várias zonas. O SIMM não chegou a aderir a esta greve, embora tivesse admitido vir a dar o seu apoio.

Na greve marcada para segunda-feira e que não é nacional, o sindicato reivindica a reposição das retribuições pré-acordo do Contrato Colectivo de Trabalho. “Estaremos em protesto com os trabalhadores da empresa João Pires Transportes, Ltda pela reposição das retribuições (pré-CCTV), pelo fim da pressão sobre os trabalhadores sindicalizados e transparência no modo de pagamento do trabalho”, confirmou ao PÚBLICO por email a direcção do sindicato.

O SIMM defende que a recente contratação colectiva dos trabalhadores da empresa não teve a concordância dos associados do sindicato e que a entidade patronal “demonstrou um total desprezo por quem lhes presta serviço ao querer fechar um acordo complexo e pleno de contradições”, lê-se num comunicado no site da organização sindical.

No entender do organismo, os trabalhadores não foram ouvidos e o acordo estabelecido promove “vários atropelos ao Código de Trabalho Português e à Constituição da República”.

Em 2015, a transportadora João Pires Internacional tinha 218 trabalhadores e 165 viaturas e facturava por ano cerca de 19 milhões de euros.

Em Janeiro, quando o Presidente da República viajou um dia num camião de transporte de mercadorias de longo curso foi com motoristas afectos ao grupo Motoristas do Asfalto.