Reportagem

A barragem já não vai engolir a casa onde Guilherme quer passar a reforma

Decisão de não avançar com a construção da barragem de Fridão fez proprietários de habitações que iam ser submersas “respirar de alívio”. Mas em Mondim de Basto nem todos se conformam com a decisão.

Fotogaleria
Guilherme Leite suspira de alívio com o anúncio de que já não haverá barragem Inês Fernandes
Fotogaleria
Vilar do Viando, Mondim de Basto Inês Fernandes
Fotogaleria
Amarante, largo de S. Gonçalo Inês Fernandes

“Eu nem sou de cá”, atira Guilherme Leite, antes de explicar o motivo pelo qual pôde “respirar de alívio” na terça-feira. O ministro do Ambiente anunciou que a barragem de Fridão não vai ser construída e pôs fim à sua “incerteza” que durava havia mais de uma década – desde que percebeu que a casa que tinha acabado de construir, em Mondim de Basto, e onde esperava passar os anos da reforma, ficaria submersa pelas águas se a hidroeléctrica fosse concretizada.