Obras na ponte internacional do Guadiana prolongam-se até ao final de 2020

Prazo de 525 dias foi largamente excedido depois de a empresa adjudicatária da intervenção ter falhado com o início da empreitada.

Foto
Vasco Célio

Deviam ter acabado em 2018, mas ao contrário do que estava planeado, as obras na ponte internacional do Guadiana só estarão terminadas no final de 2020, anunciou a Infra-estruturas de Portugal (IP) à agência Lusa. O atraso de dois anos justifica-se com a autorização concedida pelos ministérios das Finanças e do Planeamento e Infra-estruturas àquela empresa pública para “a proceder à repartição de Encargos relativos ao contrato da Empreitada «IP1, KM 132+500, Ponte Internacional sobre o Rio Guadiana. Substituição do sistema de tirantes»”.

No documento, os organismos informam também a IP de que deve proceder à divisão dos encargos relativos ao contrato da empreitada até “ao montante global de 8,6 milhões de euros dos quais 4,3 milhões serão suportados por Espanha. A repartição das verbas também obedecerá a critérios temporais, já que em 2019 os valores não poderão ultrapassar os 3,6 milhões euros e em 2020 cerca de 5 milhões de euros.

A fita do tempo de uma obra entre dois países

As obras, anunciadas em Junho de 2017 pela IP e por Pedro Marques, então ministro do Planeamento e Infra-estruturas, tinham um prazo de conclusão previsto de 525 dias. O seu anúncio foi assinalado com uma cerimónia, realizada junto à ponte que seria intervencionada, que contou com a presença do actual cabeça de lista do PS às eleições europeias e do seu homólogo espanhol.

Meses mais tarde, a IP, confrontada com a incapacidade da empresa adjudicatária da intervenção, a Soares da Costa, SA, de cumprir o prazo delineado para a intervenção, procedeu a uma nova revisão contratual, realizada a 21 de Dezembro de 2017. Esta alteração originou uma alteração no prazo inicial que previa a conclusão dos trabalhos nos ditos 525 dias. 

A exequibilidade dos prazos previstos para a obra ficou ainda mais comprometida quando, “já na fase de desenvolvimento dos trabalhos, se verificou a existência de uma maior amplitude e diversidade de elementos a intervencionar, tendo-se concluído pela necessidade de se proceder à substituição Integral do sistema de tirantes existente na ponte”.

Segundo a Infra-estruturas de Portugal, “esta situação só foi possível de detectar em fase de execução, após a desmontagem de elementos do sistema instalado, incluindo a realização de endoscopias ao interior dos tubos e a medição dos respectivos desvios angulares dos tirantes”.

Devido a esta descoberta, um novo concurso, complementar, teve que ser lançado com vista, unicamente, à reabilitação dos tirantes, o que obrigou a uma reprogramação dos trabalhos da empreitada, envolvendo duas intervenções em simultâneo, com novos planos”, que “decorrerão, em simultâneo, durante o ano de 2019 e 2020”. Para o mesmo organismo, o prolongamento do período previsto para as obras não acarretará qualquer tipo de “riscos para a segurança de pessoas e bens” que utilizam ou se encontram próximos da ponte.

Sugerir correcção