Crítica

Quero-te tanto? Nem por isso

Podia ter sido um divertido exercício de humor nonsense clássico — mas isso seria outro filme que não aquele que Vicente Alves do Ó fez.

Bonecos sem estrutura a partir dos quais os actores não são sequer capazes de construir personagens
Foto
Bonecos sem estrutura a partir dos quais os actores não são sequer capazes de construir personagens

Os cartazes anunciam Quero-te Tanto! como sendo uma “comédia romântica”, mas não podiam estar mais longe da verdade — comédia sim, assumidamente, mas com nada de romântica.