Análise

A Europa alvo da disputa entre grandes potências

Se os Estados Unidos viram a sua atenção cada vez mais para a já indisfarçável ambição da China à hegemonia mundial, os aliados europeus não se podem dar ao luxo de olhar para o lado.

1. Nos anos 1990, com o fim da Guerra Fria, a secretária de Estado de Bill Clinton, Madeleine Albright, nunca desistiu de convencer os aliados europeus da NATO de que a aliança, para manter o seu significado, tinha de ser global. Encontrou as maiores resistências. O fim da ameaça soviética deixava a Aliança Atlântica sem a sua missão fundamental. O Pacto de Varsóvia não sobreviveu ao fim do domínio soviético sobre a Europa de Leste. Os países recém-libertados da metade do continente que tinha ficado do lado errado da História, apenas ambicionavam passar para o lado certo: aderir à União Europeia e à NATO.