O fim dos jornais em papel não deverá acontecer em 2029

Investigador do ISCTE defende que “talvez a maior esperança para os jornais” passe por deixar de “mimetizar estratégias de hiper-comercialização de notícias e info-entretenimento” para abraçar “a singularidade de um jornalismo pericial e credenciado”.

Investigador do ISCTE analisou os dados que apontam para as quebras na venda de jornais em papel
Foto
Investigador do ISCTE analisou os dados que apontam para as quebras na venda de jornais em papel Adriano Miranda

O título do estudo de Tiago Lima Quintanilha, “2029 – o fim dos jornais em papel em Portugal?”, é um exercício “quase provocatório” sobre um cenário que “provavelmente” não acontecerá, esclarece o investigador do ISCTE ao PÚBLICO. E chama a atenção para o que se passa em outros pontos do mundo: “Na Índia, por exemplo, os dados do World Press Trends mostram-nos que a venda e consulta de jornais em papel tem crescido todos os anos.”

Apesar disso, o título traduz uma preocupação real: Tiago Lima Quintanilha analisou o desempenho de 15 títulos de imprensa escrita em Portugal, no que respeita à circulação impressa paga e os resultados “apontam para um decréscimo continuado do número total de exemplares vendidos no formato físico, entre os anos de 2008 e 2017”, com um declive “especialmente acentuado” entre 2011 e 2012.

Tal pode ser explicado de duas formas: coincide com o período da troika, mas também pode “ser o resultado das alterações nas dietas de consumo de notícias dos portugueses” na “era da normalidade digital”, com “os hiper-consumos online de notícias e a fragmentação de hábitos de consumo”.

O investigador admite que a crise no sector é de difícil resolução. “Os utilizadores de Internet e de plataformas móveis não estão à partida susceptíveis a pagar por notícias”, diz, acrescentando que “a digitalização” trouxe “uma redução do valor económico da notícia, o que resulta numa dificuldade acrescida em gerar receita na era dos hiper-fluxos informativos”. Há muitas outras razões, o “desinvestimento publicitário” é só mais um problema. A questão que “mais pessimismo” lhe suscita é a da precariedade: “o fazer mais com menos, de mais formas e mais depressa”.

Para este investigador, há, no entanto, “esperança”: “Basta perceber o impacto que os fluxos de desinformação e fake news tiveram no rescaldo das últimas eleições americanas no aumento do número de subscrições no New York Times e Washington Post”, diz, defendendo que “talvez a maior esperança para os jornais e para o jornalismo esteja” em “deixar de tentar mimetizar estratégias de hiper-comercialização de notícias e info-entretenimento para captar audiência, para abraçar definitivamente a singularidade de um jornalismo pericial e credenciado capaz de fazer face aos sub-jornalismos e jornalismos derivativos sem qualquer tipo de interesse público”.

O professor universitário, que foi jornalista na RTP e no PÚBLICO, António Granado põe o dedo nas mesmas feridas. “Saber as audiências ao minuto faz com que as direcções trabalhem para a audiência, para a notícia que está a dar. As plataformas permitem saber quais as notícias mais virais, mesmo que seja sobre um crocodilo que comeu uma cobra. Mas nós temos de pensar se é esse o caminho que queremos seguir”, afirma, acrescentando que a rapidez em dar a notícia não pode sobrepor-se ao rigor.

“Cada vez que um jornal de referência publica algo não verificado e não verdadeiro é um prego no caixão do jornalismo”, alerta, admitindo, no entanto, que “a situação do sector é extremamente difícil” e que uma das soluções poderá passar pelo mecenato, desde que esteja garantida a independência do jornalismo.