Carlos Daniel deixa canal 11 da Federação Portuguesa de Futebol e regressa à RTP

Jornalista era o principal rosto do novo projecto de televisão, mas, com o fim do polémico acordo de cooperação entre a FPF e a RTP, termina também o seu vínculo ao canal.

Carlos Daniel
Foto
RTP

Com o fim do memorando de colaboração entre a RTP e a Federação Portuguesa de Futebol (FPF), o jornalista Carlos Daniel, que era um dos rostos do novo canal 11, vai regressar à televisão pública.

Carlos Daniel estava no projecto da FPF através de um acordo de licença sem vencimento desde o fim do Verão do ano passado — embora tenha sido anunciado inicialmente que deixava os quadros da televisão pública — e assumia as funções de coordenador do canal com Nuno Santos, antigo director da RTP e da SIC. O jornalista acabava por estar ligado à federação através de uma das premissas do memorando relativa à cedência de trabalhadores por parte da televisão pública.

Como o PÚBLICO revelou, o acordo entre a RTP e a FPF previa a partilha de recursos, de meios técnicos e humanos, arquivos e direitos de programas. Uma das contrapartidas da televisão pública era o acesso privilegiado a conteúdos e direitos televisivos da federação, nomeadamente aos jogos da selecção nacional de futebol.

Mas o memorando motivou críticas ferozes da comissão de trabalhadores, assim como pedidos de esclarecimento dos ministérios da Cultura e das Finanças à administração, e provocou “perplexidade” no executivo, como afirmou o comentário do primeiro-ministro, em pleno debate quinzenal, que disse que o acordo “não foi do conhecimento prévio do Governo”.

Perante tanta polémica, a Federação Portuguesa de Futebol acabou por “desobrigar” a RTP de manter o acordo, alegando que o espírito e os objectivos do memorando não estavam a ser compreendidos.

A administração da RTP garantiu ao Governo que o acordo com a federação não implicava “qualquer responsabilidade financeira acrescida” e que o texto tinha apenas “intenções” genéricas que levariam a futuros acordos. E o conselho geral independente, órgão de supervisão do serviço público, veio apoiar a administração dizendo que nos últimos quatro anos a RTP passou a ser uma TV “independente do poder político”. 

Ao PÚBLICO, Carlos Daniel diz que continua a acreditar no “sucesso” do projecto do canal 11, “por ser diferente da oferta existente quanto a futebol" e pela equipa que o está a desenhar. Prevê-se que seja lançado dentro de um mês e meio. 

“Grato" à FPF pela experiência, diz que regressa à casa de quase toda a sua vida profissional e “onde se faz um jornalismo de rigor cada vez mais necessário à sociedade”.