Editorial

O mundo negro dos burocratas invejosos

Perante a violência da sanção, num processo com contornos absurdos, já nada há a esperar da Secretaria Regional de Educação. Resta-nos esperar que a Justiça possa trazer alguma claridade que afaste o negro do mundo dos burocratas invejosos.

Não deve ser fácil morar dentro da pele de um burocrata. O cheiro a bafio, o pó dos papéis, as articulações a ranger de tantos procedimentos repetidos, o sufoco dos formulários para preencher sem rasura, as palpitações provocadas pelo aproximar das “data-limite”, a gordura acumulada das pendências e especialmente a penumbra em que é expectável que tudo se passe, para recato do burocrata.

A luz incomoda, a claridade perturba. Luz como a que emana deste parágrafo com que o PÚBLICO um dia anunciou ao mundo o estranho caso da Escola do Curral das Freiras: “Contra todas as probabilidades, uma escola no lugar mais isolado da Madeira teve a melhor média entre os estabelecimentos públicos no exame nacional de 9.º ano. Tem 300 alunos, não tem campainha, nem trabalhos de casa e os horários das aulas batem certo com os do autocarro.”

Dizem que nós, jornalistas, não gostamos de dar boas notícias, mas enganam-se. Adoramos, como qualquer um, quando o herói é o menos provável, escrever, como o nosso correspondente Márcio Berenger, que eles não só eram bons em português, mas que “no exame de Matemática, embora menos brilhantes, os resultados foram igualmente surpreendentes. Os alunos do 9.º ano tiveram uma média de 3,6, colocando a escola no 12.º lugar do ranking”.

Com estes excelentes resultados, era de imaginar que o caso da Escola do Curral de Freiras fosse analisado e dele se retirassem as boas lições que nos tivesse para dar. Mas isso era num país em que os educadores falassem mais alto que os burocratas. Como noticiámos em Abril do ano passado, o homem por trás deste feito, o presidente do conselho executivo, Joaquim Sousa, foi alvo de 12 acusações assentes em 388 irregularidades por parte da Secretaria Regional de Educação e a “escola-modelo” deixou de existir ao perder a sua autonomia. A escola que em cinco anos tinha subido mil posições mereceu esta atenção, até porque, conforme escreveu Bárbara Reis, tinha um grave problema: “O professor Joaquim é muito vaidoso.”

A vaidade no burocrata é a das regras cumpridas e por isso, quando alguém contorna algumas regras, não importa os resultados, importa que não se saia da linha. Por isso Joaquim Sousa irá pagar com uma pena de seis meses (sim, leram bem) sem receber ordenado. Perante a violência da sanção, num processo com contornos absurdos, já nada há a esperar da Secretaria Regional de Educação. Resta-nos esperar que a Justiça possa trazer alguma claridade que afaste o negro do mundo dos burocratas invejosos.