Sport TV usa trabalhadores para travar queda de clientes

Empresa está a entregar vouchers aos funcionários para os distribuírem por amigos e familiares.

Nuno Ferreira Pires lidera a Sport TV desde o final de 2017
Foto
Nuno Ferreira Pires lidera a Sport TV desde o final de 2017 LUSA/MIGUEL A. LOPES

Confrontada com um cenário de perda de clientes, a Sport TV quer fazer de cada trabalhador um potencial angariador de novos assinantes. A empresa tem como um dos seus “pilares estratégicos” o aumento do número de subscritores e lançou, no mês passado, um programa intitulado “Member Get Member”, em que está a atribuir vouchers gratuitos aos trabalhadores, que os deverão entregar a familiares ou amigos que possam vir a tornar-se futuros clientes.

“Cada um de nós terá a oportunidade de oferecer um voucher de 1 mês Sport TV a um não subscritor, impactando directamente no nosso parque [de assinantes]”, explicou o presidente da empresa, Nuno Ferreira Pires, numa comunicação interna a que o PÚBLICO teve acesso.

“Os vossos ‘amigos’ ou familiares, após contactarem gratuitamente com o nosso produto – que é extraordinário – ficarão seguramente clientes”, prossegue o gestor. O PÚBLICO questionou a Sport TV sobre os objectivos traçados para esta campanha, mas a empresa optou por não comentar. Certo é que a queda do número de clientes é um dado que está a baralhar as contas da empresa de televisão detida pela Olivedesportos (de Joaquim Oliveira) e pelas operadoras de telecomunicações Nos, Meo e Vodafone, que tem os direitos de transmissão de competições como os campeonatos português, inglês e italiano de futebol, a Liga Europa e a NBA.

A Sport TV até passou a incluir nas matrizes de avaliação de desempenho dos trabalhadores o cumprimento ou incumprimento de objectivos relacionados com o aumento do número de clientes. E aquele fixado para o segundo semestre do ano era bastante ambicioso: a angariação de um número médio mensal de 6969 subscritores.

A meta ficou longe de ser cumprida e, pelo contrário, assistiu-se a uma queda do número médio mensal de subscritores na ordem dos 4400, no período entre Junho e Dezembro. Não foi possível obter os dados oficiais sobre o total de clientes da Sport TV, mas, de acordo com a informação recolhida pelo PÚBLICO, esse número rondará os 400 mil.

A evolução do parque de subscritores pesa 20% na avaliação de objectivos dos trabalhadores com funções de chefia e 10% no caso dos trabalhadores sem funções de chefia, numa escala de cinco que varia entre “não atingido” e “excepcional”. O valor obtido em 2018 obrigou, por isso, a considerar o resultado “não atingido” para todos os colaboradores.

O PÚBLICO questionou a empresa sobre quais são as consequências práticas de se obterem resultados aquém do esperado, se estão relacionadas com o pagamento (ou não) de prémios de desempenho, ou com possibilidades de progressão na carreira, por exemplo, mas também não foi possível obter um comentário.

Combate à pirataria

A mensagem difundida a nível interno é a de que cada trabalhador “é um embaixador da empresa” e deve “activamente contribuir para o crescimento do parque [de clientes] e o combate à pirataria”. Aliás, a pirataria (o acesso fraudulento a conteúdos premium) é mesmo apontada como “a grande razão” para os maus resultados do ano passado.

Em Setembro, no 28º Congresso das Comunicações, as empresas de telecomunicações (que são accionistas da Sport TV) revelaram que a pirataria custa 300 milhões de euros por ano aos operadores e 100 milhões ao Estado.

Porém, a verdade é que, além da pirataria, surgiu entretanto outro elemento que a Sport TV (que registou lucros de 4,8 milhões de euros em 2017) passou a ter de incluir na equação: a concorrência da Eleven Sports. O grupo sediado no Reino Unido entrou no mercado nacional em Agosto e, depois de um primeiro acordo com a Nowo (que entretanto, em Novembro, ficou sem o serviço Sport TV) entendeu-se finalmente com a Nos, a Meo e a Vodafone.

Desde Fevereiro que a Eleven está a distribuir os seus conteúdos através das grelhas destes operadores, entre eles, a Liga dos Campeões, os campeonatos espanhol, alemão e francês de futebol, a Fórmula 1 ou o futebol americano (NFL).

A adesão ao serviço de streaming da Eleven Sports, via site ou aplicação móvel, é possível com passes mensais ou anuais, de 9,99 euros e 99,99 euros, respectivamente. Já a subscrição dos canais de televisão premium varia consoante os operadores. A Vodafone tem disponível a adesão mensal de 9,99 euros por mês, enquanto a Nos acrescenta a esta versão o pacote empresas, que custa 19,98 euros. A Meo também tem disponível o passe mensal, de 9,99 euros (preço idêntico à subscrição da BTV, que transmite os jogos em casa do Benfica, nos três operadores) e, em caso de subscrição anual, o custo do serviço é de 8,33 euros por mês.

Nos preços da Sport TV nada se alterou com a chegada da rival britânica. Os custos para particulares variam entre 23,99 e 29,99 euros por mês (começam nos 24,49 euros na Vodafone) e para empresas a subscrição está nos 59,99 euros/mês.

A possibilidade de haver redução de preços, mesmo com a perda de conteúdos relevantes, como a Liga dos Campeões, para a Eleven Sports, foi descartada desde o início pelo presidente executivo da Sport TV. Em entrevista à Lusa, em Agosto, Nuno Ferreira Pires, revelou que, à data, 70% do parque de subscritores da Sport TV pagava o valor mais alto (alta definição, disponível em vários dispositivos).

“Não tenho qualquer dúvida que qualquer português a fazer as contas, olhando para as 55 mil horas de programação, as modalidades que nós damos, para os 2000 jogos que damos, e para tudo aquilo que é o nosso conteúdo no próximo ano estarão tão ou mais tranquilos que já estavam os nossos clientes com o valor que nós cobramos na Sport TV”, afirmou então.