Há mais uma super-Lua esta noite – e é a última do ano

O fenómeno coincide com o Equinócio da Primavera e só tornará a acontecer em Março de 2020. A altura ideal para olhar para os céus é quando a Lua nasce no horizonte, depois das 18h.

Uma super-Lua em Nova Iorque
Foto
Uma super-Lua em Nova Iorque Reuters/ZORAN MILICH

Se olhar para o céu na noite desta quarta para quinta-feira, poderá ver a terceira e última super-Lua do ano, que fará com que a Lua aparente estar maior e mais brilhante do que o normal. Este fenómeno acontece porque a fase de Lua Cheia coincide com o perigeu, o momento em que o satélite está mais próximo da Terra. A próxima super-Lua só acontecerá quase daqui a um ano, a 9 de Março de 2020.

PÚBLICO -
Foto
O efeito de achatamento da Lua no horizonte; ainda assim, o cérebro "interpreta" que a Lua está maior do que realmente está OAL

O ponto máximo desta Lua Cheia acontecerá à 1h43, mas a altura ideal para ver a super-Lua no seu esplendor é quando a Lua surge no horizonte, o que acontecerá pelas 18h17 de quarta-feira em Lisboa e pelas 18h13 no Porto (e ainda às 18h53 no Funchal e 18h27 em Ponta Delgada).

Isto porque a Lua, quando observada no horizonte, aparenta ser 5% maior do que o normal – este efeito é mera ilusão de óptica e desaparece quando a Lua sobe no céu, explica ao PÚBLICO o director do Observatório Astronómico de Lisboa (OAL), Rui Agostinho.

“Como o cérebro tenta dar tamanho aos objectos, pinta ali uma Lua ao pé do horizonte, no meio das casas e das árvores, que aparenta ser maior do que ela é”, diz. Mas é tudo uma “partida do cérebro”, até porque a Lua quando está no horizonte “é, fisicamente, ligeiramente menor do que depois quando sobe no céu”, continua Rui Agostinho.

“O facto de ela aparentar ser menor está relacionado com as leis da refracção da luz quando entra pela atmosfera terrestre e faz parecer que a Lua está ligeiramente achatada – como acontece com o pôr-do-sol – e depois, quando sobe, diminui bastante, desaparece”.

No momento em que estará mais próxima da Terra, a Lua ficará a pouco mais de 359 mil quilómetros do nosso planeta (a distância média da Lua à Terra é de 384 mil quilómetros). Como o perigeu aconteceu a 19 de Março, a fase de Lua Cheia e o momento de perigeu têm um desfasamento de 29 horas e 56 minutos. Na super-Lua do mês passado, o desfasamento era menor (seis horas e 51 minutos), sendo mais favorável para observação.

Segundo o OAL, o satélite natural da Terra estará 14% maior e 30% mais brilhante do que o habitual. Sendo a meteorologia favorável – tudo indica que sim – e não existindo nuvens a obstruir a vista, o ideal é olhar-se a Nordeste para o horizonte. 

PÚBLICO -
Aumentar

O fenómeno de super-Lua acontece quando a fase de Lua Cheia coincide com o perigeu, o ponto de órbita da Lua em que se encontra mais próxima da Terra. Essa proximidade acontece porque a órbita da Lua não é cíclica, mas sim elíptica (tal como a dos planetas), o que faz com que haja alturas em que a Lua esteja mais longe da Terra e outras em que está mais perto.

A super-Lua desta quarta-feira coincide com o Equinócio da Primavera, que acontece às 21h58 (altura do ano em que a noite e o dia têm, em teoria, a mesma duração) e marca o início da Primavera no hemisfério Norte. O director do OAL explica que não há qualquer relação entre os dois acontecimentos, “até porque o Equinócio não envolve sequer a Lua, envolve apenas a Terra e o seu eixo de rotação e plano da órbita”.

As super-Luas não são um fenómeno inédito, podendo acontecer várias vezes por ano. Este ano tem um total de três super-Luas: além da desta terça-feira, houve uma a 21 de Janeiro (que coincidiu com um eclipse total) e outra a 19 de Fevereiro, a maior do ano. No ano passado houve duas super-Luas: uma a 2 de Janeiro e outra a 31 de Janeiro. Já em 2017, o fenómeno aconteceu uma única vez e no ano anterior, em 2016, o céu foi preenchido por uma super-Lua como já não se via há 68 anos.