Com a demissão de Azeredo Lopes depois de Tancos desfez-se a equipa, afirma Rovisco Duarte

Negou pressões políticas do antigo e do novo ministro da Defesa Nacional, mas reconheceu pressões de cima, de baixo e dos lados do seio do Exército.

Fotogaleria
Rovisco Duarte na comissão de inquérito a Tancos LUSA/MIGUEL A. LOPES
Fotogaleria
LUSA/MIGUEL A. LOPES

“Com a demissão do ministro Azeredo Lopes desfez-se a equipa”, disse na tarde desta quarta-feira o antigo Chefe do Estado-Maior General do Exército (CEME), referindo-se à saída do Governo do titular da Defesa Nacional, em 12 de Outubro de 2018, na sequência do assalto a Tancos. Deste modo, o general Rovisco Duarte, que abandonaria funções cinco dias depois, refutou pressões políticas para a sua saída do Governo e do novo ministro da Defesa, João Gomes Cravinho.

“A minha demissão surge seis meses antes de me ir embora [fim do mandato], porque se tinha quebrado a equipa com a demissão do ministro da Defesa Nacional. Entendia que não seria mais útil para o Exército com um novo ministro”, explicou o antigo CEME aos deputados da comissão parlamentar de inquérito a Tancos. “Nada teve a ver com Tancos”, garantiu, referindo-se às duas vertentes do caso dos paióis: ao assalto, em 27 de Junho de 2017, e ao achamento do material de guerra roubado, quatro meses depois, em 31 de Outubro, na Chamusca.

“Não senti falta de solidariedade do novo ministro, foi um problema de equipa, com a demissão de Azeredo Lopes desfez-se a equipa”, reiterou. “É um problema de equipa, de confiança, não vejo qualquer tipo de pressão [política], nunca aceitaria, sou um homem de princípios”, argumentou.

Apesar de ter por duas vezes afirmado que “havia pressões de cima, do lado, de baixo, Rovisco Duarte situou-as no âmbito militar, fruto de uma situação inédita, o assalto a um paiol. “Queriam saber o que Exército ia fazer”, resumiu.

Quanto ao teor diferenciado da sua carta de demissão ao Presidente da República, Chefe Supremo das Forças Armadas, e à que dirigiu aos seus subordinados do Exército, o antigo CEME foi peremptório. “A carta de demissão formal ao Presidente da República não detalha, para o interior da instituição pode-se ser um pouco mais objectivo, reflecte um pouco um estado de alma”, referiu.

Nesta última missiva de despedida, Rovisco Duarte falava de “circunstâncias políticas”, que esta tarde especificou como o conjunto de tarefas a que se tinha proposto, entre as quais a revisão, favorável para o Exército, da Lei de Programação Militar.

Quanto à exoneração dos cinco comandantes das unidades que faziam a segurança aos paióis de Tancos e que, duas semanas depois, foram readmitidos, insistiu que o motivo foi propiciar as averiguações. “Quinze dias depois já não havia dúvidas sobre o apuramento das responsabilidades, após ter lido os relatórios”, referiu. Também neste ponto, afirmou-se cioso da sua autonomia: “Decidi as exonerações sozinho, não podia ficar à espera, dei conhecimento ao ministro da Defesa após ter anunciado em entrevista, o comandante do Exército era eu, não o ministro.”

O general Rovisco Duarte afirmou desconhecer o grau de degradação das instalações de Tancos, fez críticas ao Comando das Forças Terrestres pela situação e, por diversas vezes, afirmou que a falta de pessoal e de recursos referida nos relatórios não impedia as unidades de trabalharem na melhoria das condições. “Estive sozinho no problema dos comandos [a morte de dois instruendos] e no problema de Tancos no Conselho Superior do Exército”, relatou.