Morreu José Vieira de Lima, o tradutor de Paul Auster e Samuel Beckett

Jornalista e cineclubista antes de se dedicar à tradução literária, Vieira Mendes tinha 67 anos. Pertenceu a "uma geração notável de tradutores que percorreu vários idiomas", salienta a editora Quetzal.

Foto
José Vieira de Lima traduziu para português algumas das obras de Paul Auster (na fotografia) LUSA/LUIS ALVAREZ

O tradutor José Vieira de Lima, de 67 anos, que passou para português autores como Samuel Beckett e Paul Auster, morreu esta semana na Cova da Piedade, no concelho de Almada, onde residia, anunciou esta quinta-feira a editora Quetzal.

"A Quetzal cumpre o doloroso dever de informar que morreu o tradutor José Vieira de Lima, a quem a edição e os leitores portugueses tanto devem", lê-se no comunicado agora divulgado.

A editora refere que Vieira de Lima "pertence a uma geração notável de tradutores que percorreu não só vários idiomas, mas também um feliz grupo de autores [por ele] transpostos para a nossa língua".

O tradutor colaborou com diferentes editoras ao longo da carreira, entre as quais a Difel, Dom Quixote, Edições 70, Relógio d'Água, Fragmentos, Círculo de Leitores e Editorial Presença, além da Quetzal.

Ainda segundo esta editora, José Vieira de Lima nasceu em 1951, em Almada, no distrito de Setúbal, onde, na adolescência, esteve ligado à criação de um cineclube. Licenciado em Filologia Românica pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, foi jornalista, durante 15 anos, tendo trabalhado na agência noticiosa France-Presse e, desde 1986, dedicou-se à tradução literária, tendo passado para português autores como Sam Shepard, V.S. Naipaul, Henry James, Julian Barnes, Edith Wharton, Martin Amis, Edmund White, John Le Carré, Marguerite Duras, Hanif Kureishi, Colm Tóibín, Dick Bogarde, Isabel Allende, Salman Rushdie, Allan Hollinghurst, Colleen McCullough, Paul Auster, David Leavitt ou Samuel Beckett.

"Beckett, sobretudo Happy Days, foi precisamente, como em tempos afirmou, o autor que mais gostou de traduzir", segundo a Quetzal. O Livro das Ilusões, Homem na Escuridão e A Noite do Oráculo, de Paul Auster, A Casa da Rússia, de John le Carré, Harun e o Mar de Histórias, de Salman Rushdie, A Curva do Rio, de V. S. Naipaul, A Boa Mãe, de Sue Miller, A Vida Privada de Um Rapaz, de Edmund White, O Navio-farol de Blackwater, de Colm Tóibín, O Círculo Fechado, de Jonathan Coe, Enquanto a Inglaterra Dorme, de David Leavitt, Atravessando o Paraíso, de Sam Shepard, estão entre as dezenas de autores que traduziu.