Fotogaleria
O Século Ilustrado, 8 de Março de 1969 Hemeroteca Municipal de Lisboa
Fotogaleria
O Século Ilustrado, 8 de Março de 1969 Hemeroteca Municipal de Lisboa
Fotogaleria
O Século Ilustrado, 8 de Março de 1969 Hemeroteca Municipal de Lisboa,Hemeroteca Municipal de Lisboa
Fotogaleria
O Século Ilustrado, 8 de Março de 1969 Hemeroteca Municipal de Lisboa
Fotogaleria
Diário da Manhã, 28 de Fevereiro de 1969 Hemeroteca Municipal de Lisboa
Fotogaleria
Diário de Notícias, 28 de Fevereiro de 1969 Hemeroteca Municipal de Lisboa
Fotogaleria
O Século, 1 de Março de 1969 Hemeroteca Municipal de Lisboa
Fotogaleria
Diário de Lisboa, 28 de Fevereiro de 1996 Hemeroteca Municipal de Lisboa
Fotogaleria
Diário Popular, 28 de Fevereiro de 1969 Hemeroteca Municipal de Lisboa
Fotogaleria
República, 28 de Fevereiro de 1969 Hemeroteca Municipal de Lisboa
Fotogaleria
Jornal de Notícias, 1 de Março de 1969 Hemeroteca Municipal de Lisboa
Fotogaleria
O Comércio do Porto, 1 de Março de 1969 Hemeroteca Municipal de Lisboa
Fotogaleria
O Primeiro de Janeiro, 1 de Março de 1969 Hemeroteca Municipal de Lisboa
Fotogaleria
Jornal do Algarve, 8 de Março de 1969 Hemeroteca Municipal de Lisboa
Fotogaleria
A Voz de Loulé, 4 de Março de 1969 Hemeroteca Municipal de Lisboa

Há 50 anos a terra tremeu e o país entrou em pânico

De madrugada, o país sai para a rua, do Algarve ao Minho, assustado com o sismo de 1969. As manchetes dos jornais da época davam conta disso mesmo. Estará Portugal preparado para este tipo de desastre natural?

Veja mais:

A 28 de Fevereiro de 1969 Portugal sentiu o seu último grande sismo, o mais importante em termos de efeitos sentidos em Portugal e na Europa desde 1900 até à actualidade. Com epicentro no mar, cerca de 200 quilómetros do cabo de São Vicente (no concelho de Vila do Bispo, Algarve) e 250 da capital, o sismo ocorreu de madrugada, pelas 3h41, com uma magnitude entre os 7,3 e os 7,9 graus.

Foi sentido em todo o país e o medo que provocou está patente nas primeiras páginas dos jornais da época e que agora, 50 anos depois, podemos ver num dossier organizado pela Hemeroteca Municipal de Lisboa.

“Noite de pânico”, escreveu o Diário de Lisboa, enquanto O Século sublinhava o “pânico e prejuízos em todo o país”. Para assinalar este sismo e falar de riscos sísmicos, há uma cerimónia de evocação esta quinta-feira de manhã na Fortaleza de Sagres (um dos locais afectados), onde estará o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e uma outra em Lagos.

PÚBLICO - Hospital em Castro Marin / LNEC
Hospital em Castro Marin / LNEC
PÚBLICO - Casa em Vila do Bispo / LNEC
Casa em Vila do Bispo / LNEC
Fotogaleria

Há 50 anos, o sismo não só causou danos materiais (ainda que não tenham sido muito relevantes) como originou 13 vítimas mortais em Portugal Continental, sobretudo na zona litoral do Algarve – duas mortes como “consequência directa do sismo e 11 indirectas”, escrevem os geofísicos Miguel Miranda e Fernando Carrilho, do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), na introdução do dossier digital da hemeroteca intitulado “Sismo de 1969 na imprensa portuguesa”. “O sismo provocou alarme e pânico entre a população, cortes nas telecomunicações e no fornecimento de energia eléctrica”, recordam ainda Miguel Miranda e Fernando Carrilho.

Foi no Algarve que o sismo teve uma maior intensidade, ou seja, que os seus efeitos mais se fizeram sentir. Depois de a crosta terrestre que originou o abalo se ter rompido no mar – e que teve epicentro entre o banco de Gorringe e a planície abissal da Ferradura –, ocorreu ainda um pequeno tsunami. Registado por instrumentos, essa onda de pequena dimensão originada pelo sismo passou, no entanto, despercebido para a população. Os países vizinhos, como Espanha e Marrocos, também sentiram o abalo e reportaram vítimas. O sismo foi sentido até 1300 quilómetros de distância do epicentro – em Bordéus (França), em Marrocos e em Espanha, nomeadamente nas ilhas Canárias.

Ainda que tenha sido mais importante em termos de efeitos sentidos, se olharmos para a sua magnitude (energia libertada) ou o número de mortes, o sismo de 1969 não foi o maior que atingiu Portugal durante o século XX. Em 1941, ao largo de Portugal, gerou-se um sismo 8,4 de magnitude, diz-nos Miguel Miranda, actual presidente do IPMA. Em 1980, o sismo que provocou grande destruição em Angra do Heroísmo (com 6,8 graus de magnitude) matou 61 pessoas, 400 ficaram feridas e desalojou 21 mil. Se recuarmos até ao início do século XX, em 1906 o sismo de Benavente (a localidade mais destruída, onde foi o epicentro), e que teve uma magnitude à volta de seis, causou 46 mortes e 75 feridos.

E se formos até ao século XVIII, o sismo de 1755 – com cerca de 8,8 graus de magnitude – arrasou Lisboa, sobretudo devido ao grande tsunami que gerou.

PÚBLICO - Vila do Bispo
Vila do Bispo LNEC
PÚBLICO - Igreja em Castro verde
Igreja em Castro verde
Fotogaleria
LNEC

“Não é futurologia, é uma realidade”

Será que estamos agora preparados para outro grande sismo? “A rede sísmica melhorou muito desde o sismo de 1969 em diversas etapas nos anos 80, 90 e 2000”, diz Fernando Carrilho. “Do nosso ponto de vista [do IPMA], o que ainda pode faltar é sermos capazes de caracterizar ao detalhe, de forma muito fina e rápida, a distribuição da intensidade [os efeitos], para percebermos o impacto que um sismo vai ter”, considera o geofísico, dando o exemplo do Japão, um país fustigado por estes fenómenos que “tem quatro redes sísmicas online que cobrem todo o país de forma excepcional para monitorização”.

Já Olavo Rasquinho, até há poucos dias presidente da Associação Portuguesa de Meteorologia e Geofísica, diz que há “falta de rigor na aplicação da regulamentação sobre a construção e os riscos sísmicos”.

Na mesma linha de pensamento, o geofísico Luís Matias, do Instituto Dom Luiz, em Lisboa, e membro da direcção Sociedade Portuguesa de Engenharia Sísmica, destaca precisamente que “não são os sismos que matam as pessoas, mas os edifícios”. E sublinha um memorando enviado ao Governo pela Sociedade Portuguesa de Engenharia Sísmica, em Setembro de 2018, para a diminuição do risco sísmico, como um melhor controlo dos projectos de construção de edifícios e uma maior intervenção das autoridades competentes para avaliar uma eventual reabilitação ou demolição de edifícios. Até porque a construção civil tem estado a reinventar-se ao nível do restauro de edifícios: “Temos também de saber reconstruir melhor, atendendo ao aumento da actividade de restauro que não está a salvaguardar a vulnerabilidade sísmica”, acrescenta o geofísico.

“O risco sísmico vem de três factores: perigosidade, não sabemos quando os sismos vão acontecer; vulnerabilidade dos edifícios, podemos construir melhor; a exposição, se tivermos pessoas e valores dentro de um interior, há sempre risco e é elevado”, resume Luís Matias.

Para assinalar os 50 anos do sismo, Luís Matias, em colaboração com a hemeroteca de Lisboa, organizou um dossier digital que reúne vários jornais portugueses com notícias do sismo de 1969. O República pôs em manchete que “A terra tremeu”, acrescentando depois: “Tomada de pânico, milhares de pessoas fugiram para a rua em trajos menores.” O Diário de Notícia escreveu “forte tremor de terra sacudiu quase todo o país”. Já o Comércio do Porto disse: “O violento fenómeno telúrico que fez tremer o solo desde o Algarve até ao Minho”. Esta recolha, disponível online a partir desta quinta-feira no site da hemeroteca, vai dar lugar à exposição “O sismo de 1969 na imprensa portuguesa”, que andará por vários pontos da cidade de Lisboa.

Na evocação do sismo em Sagres e Lagos, especialistas da Sociedade Portuguesa de Engenharia Sísmica e da Associação Portuguesa de Meteorologia e Geofísica vão chamar a atenção para a “perigosidade sísmica em Portugal”, refere um comunicado destas instituições. Pretendem ainda “alertar para a necessidade de reduzir a vulnerabilidade sísmica das infra-estruturas e sensibilizar a população portuguesa para a necessidade de preparação para o risco sísmico, envolvendo quem tem responsabilidades no estudo, definição e implementação de medidas que garantam a minimização desse risco”.

Fernando Carrilho diz que “é necessário lembrar ao Presidente da República a situação territorial” para que haja uma aposta na resiliência das construções, nos seus códigos relativos aos projectos de estruturas de edifícios e na sensibilização da população para o fenómeno. “Somos um país que está numa zona de sismicidade moderada. Há zonas do Algarve e de Lisboa e Vale do Tejo que têm perigo intermédio e que são zonas de risco. As estruturas edificadas têm de resistir aos sismos que certamente vão acontecer no futuro, não é futurologia, é uma realidade”, explica o geofísico do IPMA.