Sentiu ou conhece alguém que sentiu o sismo de 1969?

Foto

Uma vez que a rede sísmica nacional em 1969 não estava tão preparada para recolher dados sobre os sismos, as instituições científicas portuguesas procuram agora saber mais. O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), o Instituto Superior Técnico, a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e o Instituto Dom Luiz lançaram esta semana um inquérito nacional online para recolher os depoimentos de quem testemunhou o sismo, para que esses dados sejam usados em trabalhos de investigação e ajudar a caracterizar melhor a perigosidade sísmica de Portugal e a preparar melhor para sismos no futuro. O inquérito está acessível até 22 de Abril.

“O sismo ocorreu numa época em que a instrumentação sísmica não estava ainda suficientemente desenvolvida, sendo fundamental complementar os poucos registos instrumentais de então com os testemunhos da população afectada”, diz uma nota conjunta das quatro entidades. “Por motivos facilmente compreensíveis, não haverá no futuro outra ocasião com este significado e com real possibilidade de se salvaguardar esta memória.”

Ao PÚBLICO, Fernando Carrilho, geofísico do IPMA, sublinha a importância desta recolha: “O propósito do inquérito é mesmo recolher os testemunhos de quem vivenciou o sismo. Para fazer a transição do conhecimento histórico para o instrumental, precisamos de comparar os efeitos macrossísmicos, as intensidades, com o que recolhemos da instrumentação”, explica o investigador.

As instituições lançam ainda um desafio à comunidade escolar para participar no preenchimento do inquérito, apelando aos alunos que perguntem aos familiares e registem os seus testemunhos no inquérito.

Entre as escolas do ensino básico e secundário que registem mais de 100 respostas ao inquérito serão sorteados cinco prémios, como entradas de turmas em centros Ciência Viva ou no Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa.

Sugerir correcção