Número de motoristas autorizados a trabalhar com empresas como a Uber quadruplica em 14 dias

Últimos dados do Instituto da Mobilidade e Transportes, recolhidos até esta quinta-feira, dão conta da autorização de mais 1119 motoristas habilitados a conduzir para Uber, Cabify, Taxify e Kapten

Foto
Reuters/Toby Melville

Em 14 dias, entre 31 de Janeiro e esta quinta-feira, foram autorizados mais 1119 motoristas de transporte de passageiros em veículos descaracterizados (TVDE) pelo Instituto da Mobilidade e Transportes (IMT). No final de Janeiro eram 349, como noticiou o PÚBLICO, faltando analisar então os casos de 400 motoristas. E, 14 dias mais tarde, o número de motoristas registados passou a 1468, um crescimento de 320,6% (ou 1119 registos), descendo os casos por analisar para 181.

De acordo com o comunicado emitido esta sexta-feira pelo IMT foram feitos, até 14 de Fevereiro 1649 pedidos de registo para motoristas de TVDE (mais 900 pedidos, ou 120%, face aos 749 acumulados de Novembro a Janeiro) “dos quais 1468 foram deferidos”.

Há uma justificação para o número extraordinário de pedidos de registo como motoristas de TVDE: de acordo diploma que entrou em vigor no dia 1 de Novembro, quem não tiver registo de motorista não poderá exercer essa função para as empresas que trabalham para os operadores de plataforma de TVDE, como a Uber, Cabify, Taxify e Kapten (nova designação da Chaffeur Privée) a partir de 1 de Março. Faltam, portanto, duas semanas para o prazo limite.

Os números agora disponibilizado sobre os motoristas certificados está ainda abaixo do universo de motoristas com o qual a Uber, a maior empresa do mercado, diz trabalhar actualmente: mais de 6500. Ainda assim, o comunicado do IMT dá conta de que há 6403 formandos “habilitados para a obtenção de certificado de motorista de TVDE, com formação, até ao dia 14 de Fevereiro inclusive", o que indicia que poderá haver mais pedidos de certificação a caminho. 

Também ao nível do registo de operadores de TVDE houve um aumento nos 14 dias em análise. Entre Novembro e Janeiro tinham dado entrada 2013 pedidos, dos quais 1727 tinham sido deferidos. A 14 de Fevereiro, o número dos pedidos tinham aumentado para 2672 (mais 659 ou 32,7%) e deferidos 2487 (face ao 1727 deferimentos dados até 14 dias antes, ou mais 44%). Os restantes – 185 pedidos – encontra-se “em análise”, acrescenta o IMT.